Sociedade

Moçambique: associação lusa ajuda orfãos da Sida

Um documentário da SIC intitulado "Eu e os meus irmãos", que filmado em 2009, mostrava o trabalho associação moçambicana Mahlahle que acolhia crianças moçambicanas órfãs da SIDA onde apenas um menor tinha sido apadrinhado. Atualmente, e graças à divu
Versão para impressão
Um documentário da SIC intitulado “Eu e os meus irmãos”, que filmado em 2009, mostrava o trabalho associação moçambicana Mahlahle que acolhia crianças moçambicanas órfãs da SIDA onde apenas um menor tinha sido apadrinhado. Atualmente, e graças à divulgação feita, são já cerca de 100 as crianças de Inhambane apadrinhadas por portugueses.

De acordo com a Lusa, as histórias destes meninos sensibilizaram três jovens portuguesas que passados alguns meses depois criaram a associação Eu e os Meus Irmãos. Desde junho do ano passado têm vindo a trabalhar com a Mahlahle, promovendo o apadrinhamento em Portugal.

“O impacto foi tão grande que agora temos cerca de cem padrinhos”, explicou à Lusa Olga Macupulane, feliz pelos “muitos aspetos positivos” e pela “viragem da noite para o dia” que a reportagem trouxe.

Os 26,5 euros atribuídos a cada criança chegam, “infalivelmente”, todos os meses à organização e depois aos meninos, que às vezes recebem também brinquedos, roupa e medicamentos dados pelos padrinhos.

O contato com os afilhados é mantido por telefone, fotografias ou cartas, servindo o dinheiro para comprar produtos alimentares, de higiene, material escolar, ficando uma parte para os “imprevistos”, explica a coordenadora.

As funções de ambas as entidades estão bem delineadas: enquanto a portuguesa providencia os fundos, a moçambicana tem a responsabilidade de ajudar social e afetivamente as crianças, através de grupos comunitários de mulheres, preparados para tal.

Em 2011, a associação Eu e os Meus Irmãos acredita que irá conseguir aumentar mais o número de filiados, conforme conta Olga Macupulane, que tem outras 300 crianças em condições de serem apadrinhadas.

A Mahlahle está presente em 13 distritos e para além de prosseguir com os projetos de capacitação da mulher vai continuar a procurar fundos para construir mais um centro na Maxixe, com o apoio da associação portuguesa.

Leia AQUI a entrevista do Boas Notícias a uma das fundadores da associação.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close