Saúde

Microscópio inovador deteta vários tipos de cancro

Um grupo de cientistas norte-americanos acaba de anunciar o desenvolvimento de um microscópio inovador sem lente e de dimensões reduzidas capaz de detetar, com eficácia, a presença de vários tipos de cancro.
Versão para impressão
Um grupo de cientistas norte-americanos acaba de anunciar o desenvolvimento de um microscópio inovador sem lente e de dimensões reduzidas capaz de detetar, com eficácia, a presença de vários tipos de cancro e anomalias celulares com a mesma precisão que outros equipamentos do género mais pesados e dispendiosos.
 
Em comunicado, os investigadores da Universidade da Califórnia – Los Angeles (UCLA), nos EUA, explicam que a invenção, criada no laboratório de Aydogan Ozcan, professor de engenharia eletrónica e bioengenharia, tem potencial para abrir caminho ao uso de tecnologias portáteis e mais baratas para a análise de tecidos, sangue e outro tipo de amostras biomédicas. 
 
Segundo Ozcan e os colegas, o microscópio – o dispositivo mais recente de uma série de equipamentos de imagem e diagnóstico já construídos na UCLA – poderá ser particularmente útil em regiões remotas e em casos onde seja necessário analisar uma grande quantidade de amostras num curto espaço de tempo.  
 
Outra vantagem deste equipamento é o facto de produzir imagens que são várias centenas de vezes superiores em área e profundidade às capturadas pelos microscópios óticos normais, o que torna mais rápido o processamento da informação. 
 
“Este é um marco importante no trabalho que temos feito”, afirma Ozcan, explicando que “esta é a primeira vez que amostras de tecidos são transformadas em imagens 3D com um microscópio com 'chip' e sem lente”, conforme revela o estudo publicado a propósito da invenção na revista científica Science Translational Medicine. 

Equipamento mostrou eficácia em 99% dos exemplos testados
 

De acordo com a UCLA, o equipamento funciona através da utilização de um 'laser' ou LED para iluminar amostras de sangue ou de tecido colocadas numa lâmina e inseridas no seu interior. Através de um sensor no 'microchip' do microscópio, idêntico ao da câmara fotográfica de um telemóvel, o dispositivo captura e regista, depois, o padrão de sombras observado.
 
Este padrão é processado como uma série de hologramas, formando imagens a três dimensões da amostra e proporcionando ao pessoal médico uma visão 'virtual' com profundidade de campo e contraste, simplificando a deteção de anomalias. 
 
Testes realizados, até ao momento, com este microscópio, utilizando amostras de tecidos de cancro do colo do útero e de cancro da mama e amostras de sangue indicadoras de anemia, mostraram que o equipamento conseguiu detetar, com eficácia, os problemas presentes em 99% dos casos.
 
“Se for acompanhada de avanços gráficos na 'interface' de utilizador, esta plataforma pode vir a crescer em termos de uso com fins clínicos, biomédicos, científicos, educacionais e até relacionados com as ciências sociais, entre outros”, antecipa Ozcan. 

Clique AQUI para aceder ao estudo que dá conta desta invenção (em inglês). 

Notícia sugerida por António Resende e Maria da Luz

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close