Inovação e Tecnologia

Microchip de ADN luso ajuda a prevenir morte súbita

Uma equipa portuguesa desenvolveu um microchip de ADN que ajuda a prevenir episódios de morte súbita em atletas de alta competição.
Versão para impressão
Uma equipa portuguesa desenvolveu um microchip de ADN que ajuda a prevenir episódios de morte súbita em atletas de alta competição, como aquele que vitimou o futebolista húngaro Miklós Fehér, então ao serviço do Benfica, em 2004.

A nova tecnologia foi dada a conhecer esta quinta-feira e faz a análise de mutações de ADN que permitem detetar se uma pessoa está sujeita a um risco elevado de sofrer de Miocardiopatia Hipertrófica, uma condição especialmente grave e principal causadora da morte súbita. 

 
“Todos deviam fazer este teste. Isto representa uma esperança para o atleta. Estamos a dar oportunidades de vida. O primeiro sintoma da morte súbita é a morte súbita, por isso, não há esperança”, sublinhou Ana Teresa Freitas, uma das responsáveis pelo nascimento desta tecnologia no nosso país, citada pela agência Lusa.
 
O microchip de ADN foi desenvolvido através de uma parceria entre o Instituto Superior Técnico (IST) e o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Investigação e Desenvolvimento de Lisboa (INESC-ID) durante mais de sete anos. Ao todo, mais de 400 pessoas, incluindo atletas de alta competição, foram testadas com sucesso durante a elaboração final do equipamento.
 
“Os atletas que faleceram, infelizmente, tinham uma bomba relógio que não sabiam que tinham e que não foi desativada. Este chip permite prevenir a morte súbita, permite proteger o atleta e garantir a sua vida”, reforçou Ana Teresa Freitas.
 
A inovação vai ser lançada no mercado pela empresa SHPG-HeartGenetics, mas o preço ainda não é conhecido. “Está ainda em análise o valor final de mercado, mas não será dispendioso. Será acessível, não só aos clubes, mas também às famílias portuguesas. Estamos a negociar por isso não posso avançar valores, mas esperamos ter o produto no mercado a partir de Agosto ou Setembro”, estimou o presidente da empresa, Pedro Ribeiro.
 
Na apresentação do microchip, que decorreu num hotel em Cascais, esteve também presente o antigo futebolista Hélder, que viveu de perto a morte de Miklós Fehér, que chocou milhares de pessoas. “É um passo enorme na medicina desportiva. Com isto, podemos evitar casos como o do Fehér. É um avanço muito importante”, defendeu o ex-internacional português.

[Notícia sugerida por Bruno Melo, Raquel Baêta e Inês Santos Canas]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close