Sociedade

Microalgas: Lusos distinguidos por projeto sustentável

Dois alunos e um docente do Instituto de Contabilidade de Coimbra acabam de ser premiados na edição de 2014 do Euroweek, na Suécia. A distinção aconteceu depois de os portugueses integrarem uma equipa internacional para criar o projeto de uma "cidade
Versão para impressão
Dois alunos e um docente do Instituto de Contabilidade de Coimbra acabam de ser premiados na edição de 2014 do Euroweek, na Suécia. A distinção aconteceu depois de os portugueses integrarem uma equipa internacional para criar o projeto de uma “cidade inteligente”, onde se produzia energia limpa através da “fotossíntese das microalgas”. 
 
O resultado deste trabalho de dois meses foi o prémio de melhor trabalho escrito, produzido em conjunto com uma equipa da InduTec asdl/vzw, na Bélgica, e outra da Universidade de Tecnologia de Brno, na República Checa. 
 
Este ano, o tema do Euroweek,uma iniciativa da rede internacional PRIME que envolve sempre equipas internacionais (cada uma com estudantes de três países diferentes), tinha por base o conceito de 'cidade inteligente'. 
 
Para responder ao desafio, Assane Sidi e André Fonseca contaram com a ajuda dos parceiros belgas e checos, acabando por conceber um projeto onde se produz energia limpa através da fotossíntese das algas. 
 
“As microalgas têm a possibilidade de criar biogás a partir de um reator”, podendo ser uma “fonte potencial de energia”, explica Pedro Maranha, docente do Instituto de Contabilidade e Administração de Coimbra e coordenador da equipa portuguesa.
 
Apesar do potencial da ideia, “são ainda precisas áreas muito grandes para se poder chegar a uma economia de escala”, pelo que o projeto é, no fundo, um “cenário para a sustentabilidade futura das cidades”.
 
Se forem “descobertas formas de acelerar as reações das microalgas” e se se avançar na “inovação e investigação nessa área”, então a exploração desta forma de energia pode ser viável, refere o responsável à Lusa.
 
A equipa portuguesa, especificamente, participou ativamente no “estudo da viabilidade económica” da exploração de microalgas, enquanto que a a equipa belga “trabalhou mais nas questões técnicas” e a equipa checa ficou responsável por pensar num modelo “de produção e exploração”.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close