Sem categoria

Método transforma gazes de efeito de estufa em pedra

Versão para impressão

O resultado é mais rápido que as previsões anteriores, que sugeriram que o processo de solidificação do CO2 poderia demorar centenas ou milhares de anos a ser concluído. O estudo, publicado no passado dia dez, na revista Science, faz parte do Carbfix, um projeto-piloto, lançado em 2012 na central geotérmica de Hellisheidi, na Islândia.

Os cientistas e engenheiros envolvidos no projeto experimentaram combinar o CO2 e outros gases com água, e canalizar a mistura para o subsolo. O objetivo era desenvolver um método seguro para armazenar CO2, evitando que o gás escape para a atmosfera e contribua para o aquecimento global.

A central de Hellisheidi, que fornece energia à capital islandesa, Reykjavik, bombeia água vulcânica aquecida com energia geotérmica subterrânea para fazer as turbinas funcionarem.

O processo produz 40.000 toneladas de CO2 por ano. Embora corresponda apenas a 5% das emissões de uma central a carvão do mesmo tamanho, a quantidade é significativa.


Tecnologia necessária
Durante anos, os investigadores sugeriram métodos de captura e armazenamento de gás carbónico como este, mas houve dificuldades no desenvolvimento da tecnologia necessária.

Na natureza, o basalto em contacto com o CO2 e a água produz uma reação química que resulta em um mineral calcário branco. O aproveitamento do basalto subterrâneo de Hellisheidi revelou-se óptimo, com 95% do CO2 injetado solidificado em menos de dois anos.

“Isso significa que podemos bombear para o subsolo grandes quantidades de CO2 e armazená-lo de uma maneira muito segura num curto período de tempo”, diz Martin Stute, hidrologista do Observatório da Terra da Universidade de Columbia, nos EUA, e um dos autores do estudo.

“No futuro, poderíamos pensar em usar este método em centrais nucleares em lugares onde haja muito basalto – e há muitos lugares assim”, acrescenta Stute.

Segundo os pesquisadores do estudo, a maior parte do relevo oceânico do mundo e cerca de 10% das rochas continentais são compostos por basalto.

Um relatório de 2014 do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas alertou, que se não dominássemos a tecnologia de captura e armazenamento de gás carbónico, poderia ser impossível limitar adequadamente o aquecimento global.

A maior parte das experiências anteriores não foi bem-sucedida, porque o CO2 puro foi injetado em arenito ou aquíferos salinos, em vez de misturar o gás com água e armazená-lo no basalto.

O basalto, uma rocha porosa, é rico em cálcio, ferro e magnésio, minerais que são necessários para solidificar o carbono para o armazenamento, de acordo com os pesquisadores.

Poderá não haver uma solução global, única, para o problema do aquecimento global. Talvez haja na realidade pequenas soluções para partes do problema, e esta pode ser uma delas.

O conteúdo Método transforma gazes de efeito de estufa em pedra aparece primeiro em i9 magazine.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close