Mundo

Menino de 4 anos escreve à NASA e recebe resposta

No Reino Unido, um menino de quatro anos escreveu à NASA a pedir ajuda para um projeto da escola e acabou por se tornar a estrela da turma ao receber uma resposta da agência espacial norte-americana.
Versão para impressão
No Reino Unido, um  menino de quatro anos escreveu à NASA a pedir ajuda para um projeto da escola e acabou por se tornar a estrela da turma ao receber uma resposta da agência espacial norte-americana.
 
Incumbido de preparar um trabalho sobre a Lua, Lucas Whiteley fez questão de contactar os maiores especialistas de astronomia. Como tal, pediu ao pai para gravar um vídeo consigo a pedir ajuda para este projeto de ciência e a colocar três perguntas. O resultado foi, depois, publicado no site da NASA. 
 
Em resposta, Ted Garbeff, engenheiro da agência espacial norte-americana, enviou um e-mail com um vídeo de 10 minutos em anexo, onde, inclusive, faz uma visita virtual à sua base de trabalho em Mountain View, na Califórnia. 
 
Além disso, Garbeff responde às questões de Lucas sobre quantas estrelas existem na Via Láctea, que países é que já foram à Lua e se já alguém levou lá animais. Para explicar o infinito número de estrelas existentes no espaço, o astrónomo comparou-as aos grãos de areia numa praia.


“Consegues sempre ver um enorme amontoado de estrelas, mas a verdade é que existem tantas mais do que aquelas que os teus olhos conseguem alcançar”, diz. “Há tantas mas tantas estrelas, que é difícil imaginar quantas realmente existem”. 


Garbeff explicou também que os EUA foram o único país a pôr um homem na Lua, apesar de a Rússia e a China já terem aterrado naves suas na sua superfície, e que os animais podem ter um papel determinante na exploração do espaço como foi o caso da cadela Laika.
 
Em plena histeria com o seu feito, Lucas apresentou o vídeo aos seus professores da Primary Sunny Hill, em Wrenthorpe, West Yorks, Inglaterra, que ficaram espantados com a iniciativa do menino, fazendo questão de apresentar o vídeo de resposta da NASA numa assembleia geral da escola.
 
“Quando eu era miúdo, também escrevi à NASA e recebi uma brochura com aquilo que precisava em resposta”, conta o pai de Lucas, citado pelo Telegraph. “Aquilo que o Lucas conseguiu foi incrível. Quando nos sentámos para ver o que nos tinham mandado, o sorriso que ele tinha na cara era enorme.”
 
Na sua resposta a Lucas, Garbeff conta ainda que não foi fácil conseguir o seu trabalho na NASA, incentivando o menino e os colegas a ouvir os professores e a prestar atenção nas aulas, na esperança de, um dia, os ver a todos no espaço.

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close