Mundo

Menino de 3 anos doa medula e salva vida do irmão

Um menino de três anos salvou a vida do irmão, de apenas cinco, ao doar-lhe células da sua medula óssea depois de lhe ter sido diagnosticada uma leucemia que apenas poderia ser combatida com um transplante.
Versão para impressão
Um menino de três anos salvou a vida do irmão, de apenas cinco, ao doar-lhe células da sua medula óssea depois de lhe ter sido diagnosticada uma leucemia que apenas poderia ser combatida com um transplante. A história aconteceu em Buenos Aires, na Argentina. 
 
Tudo começou há um ano quando, em Outubro de 2011, os médicos deram a pior das notícias aos pais de Benjamín, de três anos, e Faustino, de cinco. O filho mais velho sofria de leucemia e a única solução seria a transplantação. “Saber o diagnóstico foi muito forte, mas a única opção era lutar, enfrentar o problema”, contou Mariana Torriani, mãe das crianças, à BBC Brasil.
 
Depois de alguns meses de quimioterapia, os médicos do hospital público pediátrico Sor María Ludovica, na província de La Plata, localizada na capital argentina, sugeriram a alternativa do transplante, cientes de que os irmãos são normalmente os mais compatíveis para se ajudarem entre si neste tipo de situação. 
 
“Eu disse-lhes toda a verdade desde o início. Disse ao Benjamín que ele ia poder ajudar o irmão a sair do hospital e a voltar para casa para brincar com ele”, revelou a progenitora, salientando que em nenhum momento a criança chorou ou mostrou medo de ser internada. “Expliquei-lhe que seria apenas como doar sangue ao irmão e ele entendeu”, afirmou.

Mãe quer que os filhos sirvam de exemplo
 
Em Junho, o momento do transplante chegou finalmente. Benjamín passou 48 horas internado e o irmão foi operado, regressando para casa dez dias depois. “Depositei toda a confiança no médico. Eles explicaram-me que os riscos são mínimos para os dadores e que o tratamento também avançou muito para os que necessitam de transplante”, confessou a mãe.
 
Agora, ambos os meninos se encontram de boa saúde, embora Faustino continue a precisar de cuidados especiais para evitar possíveis infeções. “Agora só temos de ter cuidado e paciência para a conclusão do tratamento, para que ele volte à vida normal”, sublinhou Mariana Torriani.
 
De acordo com a progenitora, a divulgação da história dos dois filhos tem um propósito: convencer cada vez mais pessoas a tornarem-se dadoras de medula. “Quis contar o que se passou com os meus filhos para que as pessoas não tenham medo de ser dadoras. Não tenham medo de salvar vidas”, concluiu.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close