Mundo

Menina vende limonada contra a exploração infantil

Em Maio de 2012, Vivienne Harr, de 9 anos, viu uma fotografia de dois rapazes escravos a carregarem grandes pedras. Foi nesse momento que descobriu a existência da exploração infantil e, sem conseguir ficar indiferente, a menina decidiu agir.
Versão para impressão
Em Maio de 2012, Vivienne Harr, de 9 anos, viu, durante uma exposição, uma fotografia de dois rapazes escravos a carregarem grandes pedras. Foi nesse momento que descobriu a existência da exploração infantil e, sem conseguir ficar indiferente, a menina norte-americana decidiu agir: criou uma banca de limonada e já angariou mais de 115 mil euros, o valor de que necessitava para ajudar a libertar 500 escravos.
 
“Nunca soube da existência da escravatura, mas soube que era errado e quis tomar uma posição para defender estas pessoas”, conta a menina no seu site oficial, sublinhando que ninguém deve admitir o roubo dos sonhos e da dignidade a estas crianças. 
 
Com a ajuda da família, principalmente do pai, Eric Harr, que tem sido o seu braço direito, a jovem lançou o projeto “Make a Stand” para vender a sua limonada orgânica – “a Lemon-aid”.
 
O sucesso da iniciativa tem sido tal que, após apenas dois meses desde o seu arranque, Vivienne tinha já conseguido juntar cerca de 40.000 euros, “viajando” com a sua banca pela vizinhança em Fairfax, na Califórnia, e apelando à generosidade da comunidade local, que aderiu em massa a esta causa.
 
O trabalho desenvolvido pela menina chamou a atenção dos media e tem merecido destaque em prestigiados meios de comunicação social, como a BBC, a CBS, a ABC, o Huffington Post ou o Yahoo News. 

Limonada já é vendida para fora dos EUA
 

Graças a esta exposição e à sua divulgação em redes sociais como o Twitter e o Facebook, o projeto acabou por se tornar global e Vivienne até já exporta a sua limonada em garrafas para os quatro cantos do mundo. 
 
Todos são convidados a ajudar com o que podem, sendo que o valor mínimo estipulado para a aquisição de um conjunto de 12 garrafas é de apenas um dólar (cerca de 76 cêntimos). 
 
Consoante as possibilidades “e o que o coração puder dar”, os interessados podem contribuir com mais ou menos dinheiro, tendo a opção de comprar a “Lemon-aid” no próprio site do projeto, o que possibilita uma solidariedade sem fronteiras. 
 
Os lucros obtidos com as vendas revertem inteiramente para um conjunto de associações que trabalham com vista à eliminação da escravatura, entre as quais a Free the Slaves, a Not For Sale, a Nepal Youth Foundation, o International Programme on the Elimination of Child Labor e a GEMS: Girls Educational & Mentoring Services. 
 
Embora já tenha excedido o objetivo a que se propôs inicialmente, a menina garante que vai continuar a lutar pelos direitos destas crianças. “Ao dia 173 alcancei a minha meta mas, quando acordei no dia seguinte, quis fazer mais”, revela a menina. “A exploração infantil não parou, pois não? Então eu também não vou parar”, assegura.

Clique AQUI para visitar o site oficial do projeto Make a Stand (onde poderá fazer o seu donativo) e AQUI para conhecer a conta de Vivienne no Instagram, na qual vai retratando vários momentos da sua aventura. 

Notícia sugerida por Vítor Fernandes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close