Saúde

Membrana pode manter para sempre batimento do coração

Um grupo de cientistas desenvolveu um inovador dispositivo que pode vir a substituir os pacemakers. Equipado com sensores, cabe dentro do coração e pode manter o seu batimento saudável durante um período de tempo indefinido.
Versão para impressão
Um grupo de cientistas desenvolveu um inovador dispositivo que pode vir a substituir os pacemakers. Equipado com sensores, cabe dentro do coração e pode manter o seu batimento saudável durante um período de tempo indefinido. A solução foi criada a partir de uma impressora 3D e pode vir a ser usada na previsão e tratamento de doenças cardíacas.
 
Engenheiros biomédicos da Universidade do Illinois e da Universidade de Washington, nos EUA, usaram as técnicas de impressão 3D para criar uma membrana protótipo que adaptaram ao coração de um coelho, conseguindo manter o órgão operacional fora do corpo numa solução rica em nutrientes e oxigénio.
 
Em comunicado, a Universidade de Washington revela que a membrana elástica foi feita com um material de silicone flexível e macio de maneira a adaptar-se à forma do coração.

Além disso, adianta a instituição, a equipa de investigadores comprovou, ainda, ser possível a impressão de pequenos sensores para a membrana que conseguem medir com precisão a temperatura, a tensão mecânica ou as pulsações.
 
Os sensores podem ajudar os médicos a determinar a saúde do coração ou prever um ataque cardíaco iminente antes que o paciente apresente quaisquer sinais físicos, acreditam os engenheirs.
 
“Obtivemos a imagem do coração do paciente através de uma ressonância magnética e a partir dela construímos um modelo 3D que se pode imprimir, moldando a forma da membrana que vai constituir a base do dispositivo implantado na superfície do coração”, explica Igor Efimov, cientista da Universidade de Washington.
 
Em última análise, a membrana pode ser utilizada no tratamento de doenças nos ventrículos do coração ou pode até ser inserida dentro daquele órgão para tratar inúmeras doenças cardíacas.
 
“Como é um dispositivo que pode ser implantado, permite aos médicos monitorizar as funções vitais em diferentes órgãos e intervir quando necessário para fornecer terapia. No caso de perturbações do ritmo cardíaco, pode ser utilizado para estimular o músculo cardíaco ou o cérebro, ou em doenças renais, onde consegue controlar as concentrações iónicas de cálcio, potássio e sódio”, acrescenta Efimov.
 
Os resultados da investigação foram publicados na edição online revista científica Nature Communications, dedicada à publicação de investigações nas áreas da biologia, física e química.

Clique AQUI para ler o estudo (em inglês).

Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes, António Resende e Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close