Saúde

Medir frequência cardíaca é chave para prevenir AVC

A medição do pulso cardíaco pode contribuir para a prevenção da ocorrência de acidente vascular cerebral (AVC). Este simples gesto é capaz de ajudar a identificar uma arritmia cardíaca que afeta um em cada 10 portugueses com mais de 70 anos.
Versão para impressão
A medição do pulso cardíaco pode contribuir para a prevenção da ocorrência de acidente vascular cerebral (AVC). Este simples gesto é capaz de ajudar a identificar uma arritmia cardíaca – a chamada fibrilhação auricular – que afeta um em cada 10 portugueses com mais de 70 anos e que está, muitas vezes, na origem deste problema.
 
O alerta foi feito esta semana pela Associação Bate, Bate Coração, associação portuguesa de de saúde cardíaca que se prepara para promover a assinatura da Carta de Direitos dos Doentes com Fbrilhação Auricular, que será apresentada em Portugal no Congresso da Sociedade Portuguesa de Cardiologia, que se realiza entre domingo e terça-feira, em Vilamoura.
 
Trata-se de um documento internacional que pretende sensibilizar os governos e decisores da área da saúde a nível mundial para a importância de prevenir a fibrilhação auricular, arritmia que causa coágulos no coração que podem entrar na corrente sanguínea e chegar ao cérebro, bem como os AVC's, uma das suas principais consequências.
 
“Um terço de todos os acidentes vasculares cerebrais deve-se a esta arritmia. Sabemos que os AVC's, as tromboses, são a principal causa de morte em Portugal, sabemos que 30% se devem a esta arritmia e sabemos também que temos mais de dois milhões de portugueses com mais de 65 anos e que a partir dos 70 a probabilidade de um português ter fibrilhação auricular é de 1 para 10”, aponta Carlos Morais, presidente da Bate, Bate Coração, citado pela Lusa.
 
Segundo o responsável, se for detetada a tempo, a doença pode ser tratada de forma a evitar a formação desses coágulos com recurso a um fármaco anticoagulante. Através de uma “manobra muito simples”, a mera “avaliação do ritmo cardíaco”, pode detetar-se o problema, evitando-se desfechos fatais ou muito incapacitantes.
 
 “Quando as pulsações são muito irregulares, muito rápidas ou demasiado lentas, está-se perante uma arritmia e uma provável fibrilhação auricular”, explica Carlos Morais, acrescentando que, em qualquer dos casos, a suspeita é sempre esclarecida e “o diagnóstico definitivo é feito com um eletrocardiograma”. 
 
O dirigente destaca ainda a importância de fazer rastreios e diagnosticar precocemente o problema, permitindo uma medicação atempada para evitar as consequências gravosas dos AVC's na saúde e autonomia dos doentes e os encargos financeiros para as famílias e para o Estado.
 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close