Saúde

Medicina: Portuguesa vence galardão internacional

Uma jovem cientista da Universidade do Porto acaba de conquistar o galardão internacional Daniel Jouvenance 2012, atribuído por uma entidade francesa.
Versão para impressão
Uma jovem cientista da Universidade do Porto acaba de conquistar o galardão internacional Daniel Jouvenance 2012, atribuído por uma entidade francesa. Ana Ribeiro vê assim premiada a sua investigação sobre tecidos de colagénio caraterísticos dos ouriços-do-mar ou estrelas-do-mar e a sua aplicação na regeneração dos tecidos humanos.
 
De acordo com um comunicado do Núcleo de Cultura Científica do Instituto de Engenharia Biomédica, citado pela Lusa, o prémio entregue pelo Institut de France Foundation, no valor de 4.000 euros, deve-se “à qualidade do trabalho, à utilização da biodiversidade e também à abordagem de um modelo experimental original”.
 

Ana Ribeiro, de 31 anos, estudou um tecido de colagénio mutável (MTC) caraterístico dos equinodermes, como o ouriço-do-mar ou a estrela-do-mar, e utilizou-o como modelo para a regeneração de tecidos aplicada à medicina humana.
 
Segundo o coordenador do projeto vencedor, Mário Barbosa, investigador há cerca de 30 anos na área de Ciência e Tecnologia dos Biomateriais que acompanhou a cientista no desenvolvimento da investigação, “existe um potencial real para a utilização desses biomateriais dinâmicos [os tecidos de colagénio]”.
 
No entender do especialista, este potencial poderá ir desde a “regeneração de tecidos conjuntivos e tecidos de cicatrização” até aplicações cosméticas que envolvem tratamentos contra o envelhecimento.
 
O próximo passo da equipa de investigação será agora aplicar o conhecimento adquirido nos ouriços-do-mar ou nas estrelas-do-mar à medicina humana, afirmou Mário Barbosa em declarações à Lusa.
 
“Há um conjunto de proteínas entre as fibrilas [de colagénio] que poderá ser a chave do processo”, revelou o cientista, acrescentando que “existe uma grande semelhança na estrutura, composição química e propriedades biomecânicas do tecido dos equinodermes quando comparado com os tecidos conjuntivos dos mamíferos”. 
 
A escolha do projeto de Ana Ribeiro como o grande vencedor deste prémio foi feito por unanimidade no Conselho do Institut de France – Sciences Academy e a entrega oficial da distinção decorreu esta terça-feira em Paris, capital francesa.
 
O Núcleo de Cultura Científica do Instituto de Engenharia Biomédica foi fundado em 1989, com cerca de 120 pessoas, cuja atividade de investigação é especialmente focada em soluções inovadoras e integradas em engenharia biomédica, designadamente terapias regenerativas e bioimagem.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close