Cultura

Marionetas portuguesas na Royal Opera House

A companhia de marionetas portuguesa Red Cloud vai participar, esta semana, num espetáculo na prestigiada Royal Opera House, em Londres. Menos de um anos após ter sido formada, a companhia portuguesa voltou a ser convidada para subir àquele palco, pa
Versão para impressão
A companhia de marionetas portuguesa Red Cloud vai participar, esta semana, num espetáculo na prestigiada Royal Opera House, em Londres. Menos de um anos após ter sido formada, a companhia portuguesa voltou a ser convidada para subir àquele palco, para a estreia da peça 'El Gato das Botas', do espanhol Xavier Montsalvatge.
 
“Foi uma surpresa quando recebemos o convite para fazer este trabalho”, conta Rui Henriques à Lusa. “Com tão pouco tempo de existência enquanto companhia, fazer esta colaboração com uma produção de ópera na Royal Opera House, é emocionante e é bom. É ótimo!”
 
Juntamente com Sara Henriques, deixou para trás dez anos na companhia do Teatro de Marionetas do Porto para criar um projeto próprio. O trabalho que agora lhes chega às mãos foi proposto por um velho conhecido, o encenador português Pedro Ribeiro, que foi desafiado a encenar esta ópera como primeiro espetáculo dos alunos do Programa de Jovens Artistas Jette Parker.
 
“Antes de vir para cá, trabalhei no Teatro de Marionetas do Porto desde 2004 e sempre tive esta ligação às marionetas. Sabia que queria trabalhar nesta produção, principalmente porque tem muitas cenas de fantasia. Precisava de personagens que conseguissem voar, que é uma coisa que os cantores ainda não conseguem”, explica.
 
Baseada num conto de Charles Perrault, a ópera conta a história de um gato fascinado por botas, que vai usar o seu espírito inventivo para ajudar o dono a ficar rico. O protagonismo do espetáculo pertence aos jovens cantores, enquanto Rui Rodrigues e Sara Henriques são responsáveis pelo manuseamento dos bonecos.
 
“É uma coisa a que eu não estou habituada só a fazer porque gosto. Além disso, o meu trabalho é de atriz, de intérprete e canto também. Aqui é um trabalho mais tradicional, mais clássico, que me remete àquilo que se fazia aqui há muitos anos, em que temos os narradores e os cantores ao lado no cenário e os manipuladores todos cobertos de preto a manipular os bonecos”, refere Sara.
 
Um dos papéis principais é interpretado pelo também português Luís Gomes, tenor escolhido para integrar o programa da Royal Opera House para cantores promissores, e que aprecia este espetáculo por ser dirigido a um público mais geral.
 
“Estamos a trabalhar com muitas marionetas e brinquedos de outros tempos e eu tenho algumas memórias de alguns desses brinquedos. É interessante brincar com eles e mostrar ao público o que de criança há em nós”, declarou.
 
O espetáculo fica em cena durante dois dias, tendo estreado na quarta-feira e com a última sessão marcada para sexta-feira. 

Notícia sugerida por Maria Pandina

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close