Em Destaque Sociedade

Mariana Boçon distinguida com Prémio Europeu António Sousa Franco

Um estudo sobre os avanços legislativos no combate à discriminação racial ou étnica na União Europeia valeu à aluna da UMinho o Prémio Europeu Professor António de Sousa Franco 2016.
Versão para impressão
por redação

Esta distinção reconhece anualmente os melhores trabalhos desenvolvidos por investigadores e estudantes da área do Direito que contribuam para um aprofundamento da cidadania europeia. A futura jurista de 25 anos venceu na categoria “Formação” ao propor avaliar de que forma a legislação europeia tem ajudado a pôr fim à discriminação decorrente da etnia e nacionalidade.

A igualdade perante a lei e a proteção contra a discriminação para todas as pessoas é um direito universal reconhecido em diversos instrumentos jurídicos de Direito Internacional dos Direitos Humanos. No caso da União Europeia (UE), esses direitos ganham especificidade, consoante a realidade contemporânea, através da implementação de diretivas, como a diretiva 2000/43/CE, que foi adotada pelos Estados-membros com o objetivo de defender o princípio da igualdade de tratamento entre as pessoas, sem distinção de origem racial ou étnica.

Etnia cigana é uma das mais discriminadas na UE

Relatórios da Comissão Europeia, em 2006 e 2014, permitiram analisar os contributos desta diretiva na promoção da igualdade, os obstáculos enfrentados na interpretação de alguns conceitos [discriminação direta, indireta e ações positivas], bem como identificar os grupos étnicos que mais sofrem com as práticas discriminatórias, como é o caso dos indivíduos ciganos.

Nesse sentido, destaca-se o recente acórdão do Tribunal de Justiça da UE num processo sobre o abastecimento de eletricidade a uma comunidade cigana na Roménia, criando jurisprudência ao apresentar uma nova perspetiva de interpretação, nomeadamente na possibilidade de uma discriminação indireta por associação. “Esta decisão acaba, assim, por movimentar todo o aparato jurídico da UE e dos seus Estados-membros, no sentido de concretizar o princípio da igualdade de tratamento entre as pessoas, desafiando o atual contexto em que a discussão sobre a cidadania europeia ganha novos contornos perante o intenso fluxo migratório e as consequentes questões relacionadas com o multiculturalismo, a identidade cultural, a integração social e a segurança nacional”, realça Mariana Boçon.

“Receber o Prémio Europeu Professor António de Sousa Franco é gratificante e um grande incentivo para continuar a vida académica com maior disposição, contribuindo para que a investigação na área do Direito seja cada vez mais uma troca de saberes que transpassa o tempo e o espaço”, afirma a jovem licenciada em Direito pela Universidade de Brasília (Brasil), de onde é natural.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close