Ciência

Mão robótica desenvolvida em Portugal

Uma mão robótica inteligente capaz de manipular e identificar todo o tipo de objetos de maneira idêntica a uma mão humana é o objetivo do projeto europeu HANDLE. Investigadores da Universidade de Coimbra fazem parte da equipa multidisciplinar de cien
Versão para impressão
[foto: Universidade de Coimbra]

Uma mão robótica inteligente capaz de manipular e identificar todo o tipo de objetos de maneira idêntica a uma mão humana é o objetivo do projeto europeu HANDLE. Investigadores da Universidade de Coimbra fazem parte da equipa multidisciplinar de cientistas europeus que desenvolvem este projeto ambicioso.

O HANDLE tem um orçamento global de seis milhões de euros suportados com fundos da União Europeia. O projeto é liderado pela Universidade Pierre e Marie Curie, em Paris e envolve ainda cientistas do Reino Unido, Espanha, Suécia e Alemanha.

O trabalho específico da equipa de Coimbra, segundo nota no site da Universidade de Coimbra, foca-se no estudo da percepção (com base no tacto e na visão) de objetos pelos humanos e no desenvolvimento de modelos matemáticos que serão usados na nova geração de mãos robóticas.

Ou seja, os investigadores estão a estudar todos os dados sensoriais envolvidos na manipulação de objectos e a desenvolver sofisticados algoritmos de software que processem toda essa informação e reproduzam a acção da mão humana.

O trabalho começou há um ano e de acordo com Jorge Dias, coordenador do estudo citado pelo Ciência Hoje “É uma explosão de complexidade. A mão é um órgão sensitivo-motor com uma grande complexidade de função. Perceber todos os movimentos e articulações da mão e conceber sistemas artificiais que os mimetizem, de forma sincronizada e consecutiva, é de uma dificuldade extrema”.

Com distintos cenários de aplicação identificados, nomeadamente da medicina (tanto para próteses avançadas como para cirurgia ou reabilitação) estão mão inteligente é ainda “uma peça chave para que os robôs humanóides possam efectuar tarefas com elevado nível de exigência, onde não há espaço para falhas”, conclui Jorge Dias.

[notícia sugerida pela utilizadora Débora Silva]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close