Cultura

Manoel de Oliveira ou a concretização do “impossível”

A interpretação da sua obra não é consensual. O público acusa-a muitas vezes de ser enfadonha. A crítica não lhe poupa elogios. Opiniões à parte, o realizador Manoel de Oliveira faleceu esta quinta-feira aos 106 anos, deixando saudade e orgulho.
Versão para impressão
A interpretação da sua obra não é consensual. O público acusa-a muitas vezes de ser enfadonha. A crítica não lhe poupa elogios. Opiniões à parte, o realizador Manoel de Oliveira, que faleceu esta quinta-feira aos 106 anos, deixa saudade e orgulho.
 
Oliveira fica na memória dos portugueses como um exemplo de perserverança e criatividade. No dia em que fez 106 anos, a 11 de Dezembro de 2014, Manoel de Oliveira estreou nas salas de cinema nacionais a sua última obra: a curta-metragem “O Velho do Restelo”, uma interpretação livre da história de Portugal, com a ajuda de personagens como Luís de Camões ou Camilo Castelo Branco.
 
Sem grande motivação para os estudos, Manoel de Oliveira preferiu, durante a juventude, apostar no desporto chegando mesmo a ser campeão nacional de salto à vara. Depois de ingressar numa escola de atores do Porto, cidade onde nasceu, viveu e morreu, deixou-se seduzir pela linguagem do cinema.
 


Aniki-Bobó (1942) foi a sua primeira longa-metragem. Baseado no conto “Os Meninos Milionários”, de João Rodrigues de Freitas, o filme percorre as ruas do Porto antigo pelos olhos de três crianças – Carlitos, Eduardo e a amada que os dois meninos tentam conquistar, Teresinha. 
 
No espólio de Manoel Oliveira, considerado por muitos o mais velho realizador em atividade, constam mais de 30 longas-metragens e outros tantos documentários e curtas.

De acordo com a sua produtora, o Som e a Fúria, mesmo depois de estrear a sua curta de 2014, Manoel de Oliveira mostrou-se interessado em futuros projetos, dependentes “da sua disponibilidade física”.

Ou seja, se a vida lhe tivesse permitido, o realizador portuense ainda iria, com certeza, fazer mais um filme porque com Manoel de Oliveira “tudo é”, ou era, “possível”, disse recentemente o seu produtor Luís Urbano. 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close