Cultura

Manchester: Joana Vasconcelos expõe no Museu da Arte

A partir do próximo sábado e até dia 1 de Junho, o Museu da Arte, em Manchester, vai exibir aquela que considera ser "a mais ambiciosa" exposição da artista Joana Vasconcelos, no Reino Unido.
Versão para impressão
A partir do próximo sábado e até dia 1 de Junho, o Museu da Arte, em Manchester, vai exibir aquela que considera ser “a mais ambiciosa” exposição da artista Joana Vasconcelos, no Reino Unido. 
 
Pelo nome 'Time Machine', a exposição vai contar com mais de 20 peças, juntando, pela primeira vez, três veículos de grande dimensão, transportados pela artista portuguesa: 'Lilicóptero' – um helicópetro decorado com penas de avestruz; 'War Games' – um automóvel coberto por espingardas de plástico; e um triciclo motorizado, cheio de estatuetas de Nossa Senhora de Fátima.

Além disso, a mesma apresentará, pela primeira vez, a cor amarela na série 'A Todo o Vapor', que consiste em esculturas mecânicas feitas de ferros de engomar, que abrem como pétalas de uma flor e libertam vapor quando chegam à posição vertical. A nova peça será colocada entre as duas anteriormente apresentadas (uma vermelha e outra verde), por forma a constitutir as cores de Portugal. 


Além da ala moderna e das intervenções junto da coleção permanente e no átrio do edifício, a exposição vai estender-se ao exterior, onde estarão duas 'Tutti Frutti' e 'Fruit Cake', da série 'Delícias', um gelado de cone e um queque de grande dimensão construídos com formas de plástico de brincar na areia.
 
Destaque ainda para 'Britannia', a nova peça que se vem juntar à série 'Valquírias', iniciada em 2004, com peças têxteis caraterizadas pelas formas tentaculares coloridas por diferentes tecidos, aplicações de tricô, croché e outros adereços. A mesma será disposta de forma suspensa, na escadaria principal, em cascata, ao longo dos três andares do edifício vitoriano.

Inspirada por uma anterior, 'Contaminação', a nova criação foi concebida para ser exposta na Pinoteca de São Paulo, em 2008, sendo reconfigurada três anos mais tarde para integrar o palácio Grassi em Veneza.
 

Foi, precisamente, nesse ano, que começaram os contactos para organizar uma exposição da artista portuguesa, cujo trabalho Natasha Howes diz admirar desde 2005. Citada pela Lusa, a curadora da exposição conta ter ficado maravilhada com 'Noiva', um lustre feito com 20.000 tampões higiénicos femininos e apresentado na Bienal Internacional de Arte de Veneza.


O resultado desta “afinidade” entre a artista e a instituição resultou numa exposição “ambiciosa” e num “casamento brilhante” com o espaço e o resto da coleção permanente do museu, com o quela Joana Vasconcelos fez questão de criar um diálogo, através das suas próprias peças.
 
Exemplo disso é a nova peça de uma figura feminina, especialmente concebida para ser colocada junto à escultura 'Atalanta', de John Derwent Wood (1871-1926) e ao quadro 'Eve Tempted', de John Spencer Stanhope (1828-1908), na galeria de arte vitoriana.
 
Natasha Howes elogia ainda o espírito engenhoso e divertido de Joana Vasconcelos, dizendo que o seu trabalho “é muito acessível, imediato, de grande escala e colorido, mas que depois, com mais atenção, percebe-se as mensagens que transporta”. 
 
O Museu de Arte de Manchester recebe anualmente cerca de 400 mil pessoas.

Saiba mais AQUI.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close