Saúde

Malária: Investigador português ganha bolsa americana

O laboratório do investigador português Carlos Penha-Gonçalves, no Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC), vai ser financiado pela March of Dimes Foundation, uma organização norte-americana destinada a melhorar a saúde das grávidas e dos bebés.
Versão para impressão
O laboratório do investigador português Carlos Penha-Gonçalves, no Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC), em Oeiras, vai ser, este ano, financiado pela March of Dimes Foundation, uma organização norte-americana destinada a melhorar a saúde das grávidas e dos bebés.
 
Carlos Penha Gonçalves conquistou o apoio desta fundação dos EUA – que, pela primeira vez, vai financiar investigação numa instituição portuguesa – graças aos seus estudos acerca da malária na gravidez, revela, em comunicado, o IGC.
 
De acordo com o instituto, as mulheres grávidas infetadas com o parasita da malária (“Plasmodium falciparum”) correm o risco de desenvolver problemas durante a gestação, tais como partos prematuros, nascimento de bebés com baixo peso, nado-mortos e abortos.
 
O parasita da malária acumula-se na placenta originando uma inflamação em resposta à infeção, inflamação que, por sua vez, provoca danos na placenta e prejudica o crescimento fetal, explica o IGC. 
 
O projeto vencedor do laboratório de Carlos Penha-Gonçalves vai focar-se, portanto, no estudo dos fatores-chave e mecanismos que atuam na placenta de forma a proteger o feto da inflamação.
 
Aproveitando o financiamento da March of Dimes Foundation, os investigadores portugueses “vão estudar as células fetais da placenta, denominadas trofoblastos, que são importantes nas trocas de nutrientes e gases entre a mãe e o feto”.
 
Utilizando ratinhos como modelo, os cientistas do IGC “vão investigar de que forma estas células podem ser direcionadas para assegurar o fornecimento de sangue materno para a placenta e os nutrientes para o feto durante a infeção”.
 
“Este projeto vai contribuir para a identificação de agentes terapêuticos que assegurem a função da placenta em mulheres grávidas infetadas com o parasita da malária de modo a proteger o feto em desenvolvimento e a sobrevivência de recém-nascidos”, congratula-se Carlos Penha-Gonçalves.
 
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada ano mais de 50 milhões de mulheres grávidas estão expostas à malária. Em África, cerca de 10.000 mulheres grávidas e 200.000 crianças morrem a cada ano como resultado da infecção da malária na gravidez.
 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close