Ciência

Maior radiotelescópio do mundo terá selo português

Investigadores portugueses das universidades do Porto e Aveiro e do Instituto Politécnico de Beja vão participar na construção do maior radiotelescópio do mundo, o Square Kilometer Array (SKA). A fase piloto arrancou no dia 1 de Novembro.
Versão para impressão
Investigadores portugueses das universidades do Porto e Aveiro e do Instituto Politécnico de Beja vão participar na construção do maior radiotelescópio do mundo, o Square Kilometer Array (SKA), cujo objetivo é descobrir pistas sobre o início do universo e da vida.

O SKA funcionará como um “supercomputador”, com capacidade de produzir um 'exabyte' por segundo, ou seja, mais do que toda a internet. O telescópio “terá a capacidade de 'varrer' o céu 10 mil vezes mais rápido e com sensibilidade 50 vezes maior que a de qualquer outro telescópio”, explica Domingos Barbosa, investigador da Universidade de Aveiro (UA) e coordenador do consórcio nacional, citado num artigo do portal de informação da Universidade do Porto (UP). 

 
Tratando-se de um projeto em grande escala, “os desafios do ponto de vista da engenharia computacional, de materiais, da energia e da monitorização são verdadeiramente enormes”, acrescenta o investigador. 
 
À equipa portuguesa cabe o desenvolvimento de uma solução “inovadora” que permita o transporte eficiente dos dados recolhidos e a “alimentação” do SKA com tecnologias de energia solar e redes inteligentes de energia.

O “desenvolvimento de sistemas de computação em nuvem capazes de reter toda a informação recolhida”, é outro dos desafios colocados aos investigadores portugueses.

A fase de pré-construção do radiotelescópio gigante arrancou no dia 01 de Novembro, com a instalação de “milhões de antenas na África do Sul, Moçambique, Austrália e Nova Zelândia”. O centro de processamento principal vai estar sediado em Manchester, Reino Unido.

A organização do Square Kilometre Array conta com a participação de dezenas de associações de todo mundo, como o National Research Council, do Canadá, o National Astronomical Observatories of the Chinese Academy of Sciences, na China, e o National Institute for Astrophysics, em Itália. Os responsáveis prevêem que o projeto esteja concluído em 2020, resultando de um investimento de cerca de 2 milhões de euros. 


Para além das universidades e do instituto, as empresas Martifer Solar, Critical Software, Ative Space Technologies, LC Technologies, Logica EM, PT Comunicações e a Coriant integram também o consórcio nacional. 

Clique AQUI para saber mais sobre o SKA. 

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close