Ciência

Maior expedição portuguesa de sempre à Antártida

NULL
Versão para impressão
Portugal prepara-se para iniciar a maior campanha de sempre de investigadores nacionais ao continente gelado da Antártida. À frente da expedição está o Programa Polar Português que apoiará logisticamente a viagem que vai levar cerca de 100 cientistas de todo o mundo, 18 dos quais portugueses, à zona mais a sul do planeta.

A campanha iniciou-se ainda este mês e deve prolongar-se até Abril do próximo ano. Durante estes cinco meses, equipas de investigadores da Argentina, Brasil, Bulgária, Canadá, Espanha, Estados Unidos, Polónia, Coreia e Suíça, além dos portugueses, deslocam-se até à Antártida para estudar essencialmente o fenómeno das alterações climáticas.

“Há seis projetos científicos, todos eles com ligação às alterações climáticas e ambiente, em áreas como o 'permafrost' (solo permanentemente congelado), a neve, os contaminantes, a fisiologia de peixes e suas adaptações, pinguins e reconstituição de ambientes passados”, explicou ao Boas Notícias, Gonçalo Vieira, Coordenador da campanha.

Voo português transporta investigadores entre o Chile e a Antártida

A primeira equipa de investigadores partiu esta quarta-feira com destino ao Chile, local em que se inicia a colaboração mais importante de Portugal. O Programa Polar Português vai disponibilizar um avião alugado para o transporte dos investigadores entre Punta Arenas, no Chile, e Frei, na Ilha de King George, Antártida.

“Trata-se, pela primeira vez, de uma campanha em que Portugal, além de enviar investigadores para a Antártida, vai colaborar no apoio logístico às missões”, explicou Gonçalo Vieira “Este voo levará investigadores nacionais e estrangeiros, num total de cerca de 100”, acrescenta o explorador da Universidade de Lisboa.

Além do voo fretado, Portugal vai ainda contribuir para fortalecer colaborações com a Bulgária, Chile, Coreia do Sul e Polónia, escreve no seu blog, José Xavier, do IMAR, que também integra a campanha. Com um total de 18 portugueses envolvidos, esta torna-se na maior campanha portuguesa já realizada àquele continente gelado.

Financiamento base provém do Ministério da Educação e Ciência

A expedição integra investigadores do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa, Centro de Ciências do Mar da Universidade do Algarve, CERENA – Instituto Superior Técnico, Centro de Geofísica da Universidade de Évora, IPIMAR e Instituto do Mar (IMAR) da Universidade de Coimbra.

Os novos dados recolhidos no terreno vão permitir “consolidar a atividade das várias equipas nacionais. Vários destes projetos estão integrados em objetivos de pesquisa coordenados internacionalmente”, disse Gonçalo Vieira à redação do Boas Notícias.

O financiamento do projeto está por conta da Fundação para a Ciência e Tecnologia, embora haja “uma forte componente de programas parceiros, com quem temos vindo a colaborar”, explicou o investigador. “Há ainda parcerias especificas com o programa Gulbenkian Ambiente e com a Ortik, uma empresa portuguesa que colabora connosco na área do desenvolvimento de equipamento de alta montanha”.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close