Ambiente

Mafra: Descoberto morcego em perigo de extinção

Uma colónia de morcegos Bechestein, considerados em perigo de extinção, foi recentemente avistada na Tapada de Mafra. A espécie não era avistada há mais de dez anos em Portugal e foi agora descoberta no âmbito de uma monitorização das espécies de mor
Versão para impressão
Uma colónia de morcegos Bechestein, considerados em perigo de extinção, foi recentemente avistada na Tapada de Mafra. A espécie não era avistada há mais de dez anos em Portugal e foi agora descoberta no âmbito de uma monitorização das espécies de morcegos existentes naquele recinto.
 
“Foi uma agradável surpresa”, revela o biólogo Hugo Rebelo, à Lusa. “É uma espécie muito rara na Europa”, encontrando-se, atualmente, “confinado à Europa Ocidental e Central, em florestas centenárias com espécies arbóreas nativas”. Segundo o especialista, “as florestas nativas europeias têm vindo a ser desbastadas ao longo dos últimos séculos, pelo que é natural que qualquer espécie dependente desse habitat esteja em declínio”. 
 
A colónia encontrada era constituída por oito indivíduos e, para o investigador, a sua existência vem reforçar o fator de biodiversidade presente na tapada. “São animais bastante sensíveis. Se houvesse grandes alterações de habitat, um uso abusivo de pesticidas e outros fatores que modificassem drasticamente os ecossistemas, como a qualidade de água e a própria paisagem, esta espécie seria das primeiras a desaparecer”, revela.
 
Em Portugal, em 25 anos, o morcego Bechestein foi capturado em apenas três ocasiões, sendo que a última tinha ocorrido há já mais de dez anos. A descoberta de agora aconteceu no âmbito de uma monitorização das espécies de morcegos existentes na Tapada de Mafra, levada a cabo pelo grupo de dez investigadores do projeto do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO), da Universidade do Porto. 
 
Além do “morcego de Bechstein”, foram também identificadas em Mafra outras duas espécies (o “morcego rato grande” e o “morcego de franja”), que elevam para uma dúzia as espécies de morcegos existentes no recinto.
 
“São espécies muito emblemáticas. Uma delas tem a sua distribuição restrita à Península Ibérica, o que o torna raro. A outra está associada à Península Ibérica e ao norte de África”, referiu Hugo Rebelo.
 
O biólogo acredita que podem vir ser encontradas ainda mais espécies de morcegos na tapada e que há potencial para diversificar os produtos turísticos daquele espaço, com a criação, por exemplo, de ações noturnas de observação e audição de morcegos ou visitas a abrigos desocupados, como existem noutros locais do país.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close