Mundo

Mãe e filha reencontram-se após 48 anos separadas

Mais uma vez uma rede social contribuiu para um reencontro emocionante. A norte-americana Joan Courchene Wehrmeyer e a filha, Stephanie, não se viam há 48 anos e conseguiram encontrar-se através do Facebook.
Versão para impressão
Mais uma vez uma rede social contribuiu para um reencontro emocionante. A norte-americana Joan Courchene Wehrmeyer e a filha, Stephanie, não se viam há 48 anos e conseguiram encontrar-se através do Facebook, depois de muitos esforços infrutíferos feitos por ambas no sentido de se localizarem.
 
A história de esperança e persistência é avançada pelo canal CBS4, que conta que Joan e Stephanie perderam o contacto quando esta última era ainda bebé. Os pais divorciaram-se e, em consequência, gerou-se grande tensão familiar. Como Stephanie foi criada pelo pai, a identidade da progenitora passou a ser um assunto tabu. 
 
Porém, Stephanie, hoje uma mulher adulta, nunca deixou de tentar encontrar a mãe, que entretanto voltou a casar. Da mesma forma, o novo marido de Joan sempre lhe prometeu que conseguiriam encontrar a sua filha – uma promessa que, por coincidência, o marido de Stephanie também fez. 
 
O ponto de viragem no caminho para o reencontro aconteceu este ano, quando Stephanie teve possibilidade de obter uma certidão de nascimento com o nome da mãe escrito corretamente. O marido, Rodney, decidiu então procurar a sogra no Facebook e, depois de duas tentativas, conseguiu pô-las em contacto.
 
“Fiquei totalmente chocada e sem palavras. Chorei muito”, confessou Joan, quando se apercebeu de que estava novamente ligada à filha, de quem não tinha qualquer sinal há quase cinco décadas. Desde esse momento, Stephanie e Joan nunca mais deixaram de trocar mensagens e chamadas.
 
Quanto ao esperado abraço, aconteceu esta terça-feira, quando as duas marcaram um encontro num restaurante na Flórida. “Quando a vi soube de imediato que era ela. Foi como se nunca tivessemos estado separadas”, revelou a mãe, que já descobriu muitas coisas em comum com a filha.
 
“Ela gosta de cozinhar e é um gosto que partilhamos. E quando eu, em brincadeira, comentei que era a única canhota da família, soube que também somos iguais nisso”, concluiu Joan, acrescentando que sabia que, mais cedo ou mais tarde, o dia do reencontro ia chegar. 
 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close