Ambiente

Madeira é 1ª zona da UE livre de OGM

A Comissão Europeia aceitou, no início de maio, o pedido de Portugal para proibir o cultivo de organismos geneticamente modificados (OGM) na Madeira, noticia o jornal New York Times. A região autónoma torna-se, assim, a primeira região oficialmente l
Versão para impressão
A Comissão Europeia aceitou, no início de maio, o pedido de Portugal para proibir o cultivo de organismos geneticamente modificados (OGM) na Madeira, noticia o jornal New York Times. A região autónoma torna-se, assim, a primeira região oficialmente livre de transgénicos em toda a União.

Portugal solicitou esta proibição alegando que a plantação de produtos geneticamente modificados representa uma ameaça para a biodiversidade do arquipélago, sobretudo para a floresta de laurissilva, uma planta endémica da Macaronésia, região formada pelos arquipélagos da Madeira, Açores, Canárias e Cabo Verde. A floresta laurissilva madeirense é a mais extensa de todas pelo que foi classificada como património da humanidade em 1999.

Já várias outras regiões da UE tinham tentado solicitar, sem sucesso, o reconhecimento a nível europeu desta proibição no seu território. Segundo o jornal norte-americano, a Madeira teve a sorte de acertar na janela de oportunidade que entretanto se abriu.

A aprovação de organismos geneticamente modificados no espaço comum europeu tem enfrentado sérias dificuldades dentro Comissão Europeia. Em março, a aprovação da plantação da batata transgénica Amflora esteve sujeita a moratórias de países como a Áustria, a França e a Grécia. Ao autorizar o pedido da Madeira, a Comissão Europeia espera que os países opositores dos transgénicos se tornem mais flexíveis e autorizem a introdução de novos OGM na UE.

Neste momento, apenas dois produtos transgénicos são autorizados no território europeu: o milho Mon 810, da empresa francesa Monsanto, e a batata Amflora do grupo alemão BASF. Dos 27 países europeus apenas cinco, entre eles Portugal, autorizam a plantação destes dois produtos.

Vários grupos de consumidores e produtores agrícolas da União Europeia alertam para os perigos das plantações geneticamente modificadas, sobretudo ao nível da contaminação dos solos e das espécies não geneticamente modificadas. No entanto, os grupos pró OGM argumentam que estas situações não estão cientificamente comprovadas.

[Notícia sugerida pelo utilizador Nuno Fonseca]

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close