Saúde

Luz do Sol previne problemas cardiovasculares

Expor a pele a um pouco de luz Solar traz mais benefícios do que se julgava até agora. Um novo estudo vem demonstrar que, além de promover a sintetização de vitamina D, a luz do Sol ajuda a reduzir pressão arterial.
Versão para impressão
Expor a pele a um pouco de luz solar traz mais benefícios do que se julgava até agora. Um novo estudo vem demonstrar que, além de promover a sintetização de vitamina D, a luz do Sol ajuda a reduzir a pressão arterial.
 
A investigação, realizada pelas universidades britânicas de Southampton e Edinburgh, demostra que a luz do Sol altera uma molécula, conhecida como nítrico oxide (NO, sigla em inglês), que está presente na pele e no sangue. 
 
“Esta molécula está envolvida na regulação da pressão arterial e é muito abundante na pele. Quando nos expomos à luz solar, pequenas quantidade de óxido nítrico entram na circulação sanguínea, reduzindo a pressão das artérias, o que conduz também à redução do risco de ataque cardíaco e de ataques vasculares cerebrais (AVC)”, explica em comunicado Martin Feelisch, professor de medicina experimental na Universidade de Southampton
 
Embora limitar a exposição à luz solar seja importante para prevenir o cancro da pele, os autores do estudo, publicado este mês no Journal of Investigative Dermatology, salientam que a exposição ao Sol não deve ser totalmente evitada, uma vez que as doenças cardiovasculares, associadas à elevada pressão arterial, são responsáveis, anualmente, por 30 por cento das mortes em todo o mundo.
 
Segundo os autores da investigação, a prevalência de problemas cardiovasculares varia conforme as épocas do ano e as regiões, com os níveis mais elevados a registarem-se no Inverno e nos países mais afastados do Equador, onde a radiação ultravioleta é mais baixa. 
 
Para realizar este estudo, a equipa de investigadores observou 24 indivíduos saudáveis que foram expostos a raios ultravioleta (UVA) emitidas através de lâmpadas. Os participantes foram submetidos a duas sessões de luz de 20 minutos cada uma. 
 
Numa das sessões, os voluntários foram expostos tanto ao calor da lâmpada como aos raios UVA. Na outra, os raios UVA foram bloqueados para que os participantes recebessem apenas o calor da luz.
 
Os resultados revelaram que a exposição aos raios UVA dilata os vasos sanguíneos (baixando significativamente a pressão arterial) e altera os níveis de óxido nítrico na circulação. 
 
O professor Feelisch considera estes resultados “confirmam os benefícios da exposição solar” regular e moderada, até porque, diz o especialista, os “efeitos do consumo oral de suplementos de vitamina D (que o Sol ajuda a sintetizar) tem sido desapontantes”.
 
“Acreditamos que o óxido nítrico tem um papel mais importante do que se pensava ate agora no que diz respeito à saúde cardiovascular. Nos próximos estudos pretendemos testes se o efeito da luz solar resulta em indivíduos com problemas de saúde mais crónicos e também testar estratégias nutricionais que promovam a capacidade da pele de armazenar NO e de o transmitir ao sistema circulatório”, conclui o investigador.

Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close