Em Destaque Saúde

Lupus e gravidez: “É preciso acabar com uma série de tabus”

Desde que a doença esteja estabilizada, a gravidez é possível e desejável
Versão para impressão

O lupus é uma doença autoimune, que atinge oito a dez vezes mais as mulheres (em relação aos homens) em idade fértil. Não existe uma causa conhecida para o aparecimento da doença, exceto aquelas que raramente estão associadas à ingestão de determinados fármacos específicos. Ainda assim, é possível afirmar que existem fatores de ordem genética, hormonal e ambiental que contribuem para o aparecimento da doença, embora também estes sejam ainda uma questão pouco esclarecida. Sendo o lupus mais comum nas mulheres, a Conferência Internacional “Madeira Lupus Clinic” reserva uma preleção sobre a gravidez e o lupus, isto porque, afirma Jorge Martins, Presidente da Conferência, “é preciso acabar com uma série de tabus”.

Para o internista, a questão principal quando uma mulher com lupus quer engravidar é, desde logo, o período de anticonceção. “Uma gravidez no lupus é possível e desejável se for programada. E uma gravidez para ser programada, a pessoa tem de estar protegida, ou seja, tem de saber quais os métodos anticoncecionais que pode e deve usar, para que, depois de estabilizada a doença, então sim, possa engravidar. Caso contrário, numa situação de doença em atividade, poderão ser vários e gravíssimos os problemas para a mãe e para o feto.”

Assim, no momento da conceção, a mulher deve ter a doença estabilizada há seis meses, para garantir uma gravidez mais segura. Contudo, Jorge Martins afirma que “será sempre uma gravidez de risco, mas nestas condições, felizmente, a maioria dos casos são de sucesso e sem complicações para a mãe e sem complicações para o bebé.”

Entre os dias 21 e 23 de junho, o Lupus vai estar em debate na ilha da Madeira, numa conferência internacional destinada não só a profissionais de saúde, mas também aos doentes. Para Jorge Martins o envolvimento dos doentes é fundamental, pois acredita que “quanto melhor informado o doente está, melhor tratado ele será, ou seja, quanto mais o doente souber da sua doença e daquilo que nós (médicos) estamos a tentar fazer para que ele melhore, melhor tratado ele ficará”. O internista destaca assim um dos principais pontos deste evento, sublinhando que “é este envolvimento entre nós (médicos) e o doente que queremos criar, sendo esta a primeira parte do programa do Madeira Lupus Clinic”.

A conferência contará com oradores internacionais, entre os quais, Yehuda Shoenfeld, que regressa ao nosso país para falar sobre Lupus Eritematoso Sistémico no último dia do evento. O programa conta ainda com um curso para jovens médicos de todas as especialidades sobre os sinais e sintomas de alerta que um médico deverá ter em conta para referenciar um doente com uma possível doença autoimune.

Programa completo aqui.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close