Ciência

Lourinhã: Descoberto dinossauro com 150 milhões de anos

Foi descoberto, na Lourinhã, o esqueleto de um dinossauro com cerca de 150 milhões de anos. O paleontólogo português Octávio Mateus, da Universidade Nova de Lisboa, diz tratar-se mais completo esqueleto de um dinossauro carnívoro no mundo.
Versão para impressão
Foi descoberto, na Lourinhã, o esqueleto de um dinossauro com cerca de 150 milhões de anos. O paleontólogo português Octávio Mateus, da Universidade Nova de Lisboa, diz tratar-se mais completo esqueleto de um dinossauro carnívoro no mundo.
 
“É seguramente o dinossauro mais completo que temos em Portugal e um dos mais completos do Jurássico Superior em todo o mundo, o que nos permite estudar como é que os dinossauros evoluíram e como, neste caso, deram origem às aves”, refere o investigador, em declarações à agência Lusa.
 
Na campanha de escavações deste verão do Museu da Lourinhã, que terminou no final do mês de Agosto, o paleontólogo deparou-se com “um dinossauro com o esqueleto quase completo desde os ombros à anca, com as costelas muito bem conservadas e todos os ossos articulados, e ainda com a zona do joelho e uma pata”.
 
“É um caso invulgar no Jurássico Superior da Lourinhã, porque normalmente descobrimos um ou outro osso isolados e, quando descobrimos mais material, está desarticulado”, explica o responsável, líder das escavações. 

“Neste caso, não está completo, mas está muito bem conservado e articulado (com os ossos na posição anatómica, tal como em vida), o que é muito raro”.
 

A análise preliminar indica que poderá tratar-se de um representante de um grupo de dinossauros carnívoros de pequeno porte, com menos de dois metros de comprimento – os celurossauros. Trata-se de uma espécie do Jurássico Superior, extremamente rara em Portugal. 

Ainda assim, mesmo a nível mundial, os celurossauros, “eram conhecidos por dentes e ossos isolados. Portanto este seria o primeiro celurossauro articulado”.

 
Nas escavações, a equipa do museu descobriu ainda pegadas de dinossauros saurópodes, ornitópodes e pterossauros, uma das quais com 120 centímetros, sendo por isso “uma das maiores que se conhece”, além da mandíbula de um mamífero raro. A campanha reuniu uma dezena de voluntários do museu.

Saiba mais AQUI, no site do Museu da Lourinhã.

Notícia sugerida por Elsa Fonseca e Maria Pandina

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close