Saúde

Livros de auto-ajuda aliviam sintomas da depressão

Ler livros de auto-ajuda pode complementar de forma eficaz o combate à depressão. Um novo estudo escocês revelou que a leitura deste tipo de livro associada a sessões médicas que ensinem os pacientes a interpretá-los ajuda a aliviar os sintomas.
Versão para impressão
Ler livros de auto-ajuda pode complementar de forma eficaz o combate à depressão. Um novo estudo escocês revelou que a leitura deste tipo de livro associada a sessões médicas que ensinem os pacientes a interpretá-los ajuda a aliviar os sintomas e a ultrapassá-los.
 
O estudo, coordenado por Christopher Williams, da Universidade de Glasgow, envolveu mais de 200 pacientes diagnosticados com depressão pelos seus médicos de família, metade dos quais já estavam a ser tratados com antidepressivos. 
 
De acordo com a BBC, foram oferecidos a alguns deles livros de auto-ajuda destinados a auxiliá-los a lidar com determinados aspetos importantes para quem tem uma depressão, como ser assertivo ou ultrapassar os problemas de sono.
 
Além de lerem este guia, os pacientes tiveram direito a três sessões com um conselheiro que os ajudou a extrair o melhor dos livros que lhes foram cedidos e a planear as mudanças que precisariam de fazer nas suas vidas.
 
Ao fim de quatro meses desta terapia alternativa, os participantes no estudo aos quais foram “prescritos” os livros de auto-ajuda revelavam já níveis mais baixos de depressão do que aqueles que continuaram a fazer a terapia convencional com o seu médico.
 
Um ano depois do início da experiência, os do primeiro grupo mostraram também ser mais capazes de se manterem no controlo da doença e de a superararem, como concluiu a investigação publicada na revista científica PLoS One. 

Terapia revelou “impacto clínico muito significativo”
 

“A depressão ataca a motivação das pessoas e faz com que seja difícil acreditar que é possível mudar, mas nós descobrimos que esta terapia tem um impacto clínico muito significativo, o que é encorajador”, salienta Williams, citado pela BBC.
 
Segundo o escocês, autor de livros como “Overcoming Depression” ou “Low Mood”, as sessões de apoio à leitura dos livros poderão ser ministradas por clínicos gerais – ou seja, não serão exclusivas dos especialistas -, o que poderá, também, reduzir as listas de espera.
 
Na Escócia, um serviço telefónico gratuito de apoio aos pacientes com depressão que estão a ser tratados com o contributo dos livros de auto-ajuda já foi, aliás, estabelecido.
 
Para Williams, o grande desafio do serviço nacional de saúde britânico (NHS), onde os livros de auto-ajuda são uma solução usada em muitos locais, será implementar este modelo de forma mais ampla permitindo aos pacientes terem acesso a ele no âmbito dos cuidados primários.
 

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close