Negócios e Empreendorismo

Lisboa: A maior incubadora de empresas da europa

Vai começar a funcionar em Lisboa, a partir de Maio, a "maior incubadora de empresas da Europa", que vai poder acolher quase 200 projetos de pequenos empreendedores.
Versão para impressão
Vai começar a funcionar em Lisboa, a partir de Maio, a “maior incubadora de empresas da Europa”, que vai poder acolher quase 200 projetos de pequenos empreendedores em várias áreas de atividade.
 
O nascimento da incubadora acontece por meio da transformação de dois lotes do empreendimento EPUL Jovem, na Praça de Entrecampos, na capital portuguesa, num conjunto de 42 escritórios junto a universidades e institutos da cidade, como o Instituto Superior de Ciências do Trabalho e Empresas (ISCTE).
 
O protocolo de cooperação e parceria entre a Empresa Pública de Urbanização de Lisboa (EPUL), a Câmara Municipal de Lisboa, a Fundação Calouste Gulbenkian e o centro de investigação AUDAX, do ISCTE, foi assinado esta sexta-feira e vai permitir criar 198 espaços de trabalho.
 
Por ocasião da cerimónia, Luís Bento, administrador da EPUL, explicou que não se trata de uma “incubadora especializada”. O objetivo é incubar todo o tipo de projetos, sejam eles  “de base tecnológica, comercial, industrial, de serviços” de todo o mundo universitário nacional, não existindo também limite de idade.

Basta um computador, uma ideia e 200 euros mensais
 

Segundo o responsável, bastará aos empreendedores “trazerem um computador, uma ideia e pelo menos 200 euros para o primeiro mês e começar a trabalhar”. Este valor monetário corresponde à mensalidade que terão de pagar, mas é “muito pequeno”, frisa Luís Bento, se for tido em conta que inclui serviços de apoio como secretariado, vigilância e limpeza e pode “abrir as portas a jovens e menos jovens”.
 
O administrador da EPUL acredita mesmo que a incubadora lisboeta poderá vir a ser “a maior” e “a melhor” a nível europeu, já que terá sempre em mente o propósito de “garantir taxas de sucesso” dos projetos “superiores a 90%”.
 
Os projetos vão poder estar em “incubação” durante o período máximo de um ano, podendo o prazo prorrogar-se até aos 18 meses mediante pedido e respetiva aprovação, depois de análise.
 
Porém, mesmo depois de abandonarem a incubadora, os criadores terão à disposição na coroa exterior do empreendimento “espaços que podem ocupar já com as suas empresas”. Deste modo, será possível a quem quiser lançar o seu projeto iniciar a atividade sem sair da zona, embora “pagando uma renda comercial”, revelou Luís Bento.

Uma peça fundamental para promover o empreendedorismo
 

A Câmara Municipal de Lisboa, uma das parceiras envolvidas no projeto, congratulou-se com a criação desta incubadora, salientando que a mesma “surge como mais uma peça fundamental na estratégia municipal de criação de novos espaços” para promover o empreendedorismo e gerar mais empresas e mais emprego.
 
De sublinhar que esta é a segunda incubadora de empresas a ganhar vida na capital, depois de, no início deste mês, ter inaugurado a StartUp Lisboa na Baixa Pombalina, conforme avançou, à data, o Boas Notícias

As candidaturas para integrar a nova incubadora podem ser feitas a partir da próxima semana.
 

[Notícia sugerida por Fernando Pereira]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close