2º lugar no lançamento do disco.
Desporto Em Destaque

Liliana Cá e Anri Egutizde entram para a galeria de medalhados

As medalhas continuam a cair para a Missão Portuguesa, nos Jogos do Mediterrâneo.
Versão para impressão

Esta quinta-feira, dia 28, foram mais duas e o total subiu para 14. Os protagonistas do dia foram a lançadora Liliana Cá, prata no disco, e o judoca Anri Egutidze, bronze na categoria -81kg.

A galeria de medalhas tem agora três de ouro – Melanie Santos, João Pereira e a equipa de Equestre -, quatro de prata – Fernando Pimenta, Joana Vasconcelos, Ana Monteiro e Liliana Cá -, e sete de bronze – João Costa, Anri Egutidze, Alexis Santos, Teresa Portela, João Vital, Diana Durães e Rafael Silva.

Para Liliana Cá, o 2.º lugar obtido na pista de Campclar, em Tarragona, foi um raio de luz que repentinamente incidiu sobre a carreira que esteve suspensa. “Este foi o meu regresso internacional, então para mim e para o meu treinador é uma grande vitória, depois de cinco anos parada.”

A maternidade e uma ausência prolongada em Londres obrigaram Liliana Cá a parar, mas o regresso foi feito de forma fulgurante. “A satisfação é dupla, tripla”, disse.

Anri Egutidze foi o outro protagonista do dia entre a Missão Portuguesa que está a participar nos Jogos do Mediterrâneo, ao conquistar a medalha de bronze na competição de Judo (-81kg).

Até ao combate pelo bronze, Egutidze realizou quatro combates, tendo perdido o primeiro com o grego Alexios Ntanatsidis, o que o atirou para as repescagens. Mas, a partir daí venceu sucessivamente Aristos Michael (Chipre), Achraf Moutii (Marrocos) e Alfonso Solana (Espanha), enfrentando a aguerrida claque local. “Foi um bocado difícil, porque a competição tinha bom nível, com atletas fortes e eu tinha vindo de um estágio e estava um pouco cansado.”

O judoca português sublinhou querer mais da competição, em Tarragona. “Não fiquei tão feliz quanto queria.” E o desejo era mesmo ficar mais acima, no pódio: “Claro que sim, mas mesmo assim estou feliz com o bronze. Isto não são os Jogos Olímpicos, mas é importante para a preparação. Sabia que não seria fácil, por estar a lutar com um espanhol – a quem já tinha ganho – em sua própria casa.”

Esta quinta-feira passada a dupla portuguesa do ténis, composta por Bernardo Saraiva e Gonçalo Falcão, viu fugir o sonho do ouro, ao perder a meia-final, mas joga na sexta-feira pelo bronze, dia em que voltam à ação os campeões de Equestre, agora na prova individual mista.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close