Mundo

Líbia: Portugueses já estão na Grécia

Os cerca de 50 portugueses, funcionários da construtora brasileira Queiroz Galvão que estavam em Benghazi, Líbia, já estão em Atenas e regressam segunda-feira a Lisboa, avança a Lusa. Entretanto, esta madrugada, a ONU aprovou uma resolução de sanções
Versão para impressão
Os cerca de 50 portugueses, funcionários da construtora brasileira Queiroz Galvão que estavam em Benghazi, Líbia, já estão em Atenas e regressam segunda-feira a Lisboa, avança a Lusa. Entretanto, esta madrugada, a ONU aprovou uma resolução de sanções à Líbia e pede o julgamento de Muamar Kadafi por crimes contra a humanidade.

“Estamos no autocarro a caminho do hotel. Chegámos às 07:30 locais (05:30 de Lisboa)”, indicou uma das portuguesas, Cláudio Boino, à Lusa, acrescentando que a viagem desde a Líbia num “ferry” fretado pela empresa brasileira “foi muito boa, sem sobressaltos.

O ferry foi fretado por uma empresa brasileira de construção onde trabalham portugueses. A bordo seguem 56 cidadãos nacionais, 146 brasileiros, três espanhóis, cinco irlandeses e um tunisino.

Com a saída destas 56 pessoas, deixa de haver conhecimento de qualquer português na Líbia neste momento.

ONU aprova sanções à Líbia e julgamento de Kadafi em Haia

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou na madrugada deste domingo uma resolução que prevê sanções à Líbia e o pedido de julgamento do líder líbio Muamar Kadafi por crimes de guerra, informa o jornal espanhol “El País”.

De acordo com a publicação, o texto aprovado após quase dez horas de discussão prevê sanções econômicas ao regime líbio, proíbe viagens de Kadafi, sua família e dos funcionários que o protegem ao exterior, congela suas contas, embarga as vendas de armas e denuncia atrocidades cometidas durante a repressão aos protestos no país como “crime contra a humanidade” que “merecem ser julgados pela Corte Penal Internacional de Haia”.

O jornal destaca  rapidez com que a resolução foi elaborada. Sob pressão do secretário-geral da entidade, Ban Ki-moon, o texto saiu em cinco dias. Esta é a segunda vez que o conselho encaminha uma violação de direitos humanos à Justiça internacional. A primeira foi provocada pelo caos em Darfur.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close