Lifestyle

L&G: Avózinhas que fazem peças únicas de design

NULL
Versão para impressão
Image and video hosting by TinyPicEra uma vez uma designer de equipamento chamada Susana António e um psicólogo chamado Ângelo Campota que se encontraram num projeto alheio a este há uns anos e que se afirmaram como alma-gémea um do outro desde então. “A combinação perfeita; tinha mesmo de ser”, diz-me Susana. E eu acreditei, porque as paredes coloridas do atelier d’A Avó Veio Trabalhar engoliram-me como uma criança quando vê algodão doce. Ali, encontram-se, todos os dias, dezenas de avózinhas que usam os seus saberes tradicionais para criar apetitosos produtos com traços modernos e coloridos.

Por Daniela Carreira Peralta

Image and video hosting by TinyPic
Mudei-me para Lisboa há relativamente pouco tempo e há meses que queria escrever sobre este projeto. Estar na cidade foi uma oportunidade e não a deixei escapar. Dez e meia da manhã, uma viagem de metro e com as instruções de um jovem taxista à mistura, cheguei à Rua do Poço dos Negros!

Quando me sentei com a Susana para iniciarmos a nossa conversa, comecei por brincar: “Ainda é muito cedo ou a avó já está a trabalhar?”. A verdade é que uma das avós estava já na sala ao lado com o Ângelo e com uma jovem voluntária a agitar o ambiente. Fiquei logo a saber que, entre as 10 da manhã e as 18 horas da tarde, o atelier está em funcionamento – fechando à hora do almoço. “Quando [os avós] estão chateados em casa e não têm nada para fazer, vêm ter connosco”, diz-me a Susana. “A porta está sempre aberta” e os voluntários são bem-vindos às terças, quartas e quintas-feiras entre as 10 e as 13 horas para aprender com as avós.
 

O projeto A Avó Veio Trabalhar celebra no próximo mês de Outubro dois anos de vida mas a ideia começou a ser cozinhada há 10 anos. Depois de se licenciar em Design de Equipamento e de ter sido voluntária num lar onde coordenava um grupo de idosos, Susana percebeu que era possível aliar o design às comunidades de uma forma social. Aqui, o que interessa a estes dois mentores é também “perceber como é que se diz ‘isto é nosso’ em vez de dizer ‘é meu ou teu’”.

68 avós a criar produtos modernos com técnicas tradicionais

Image and video hosting by TinyPic
Foto © A Avó Veio Trabalhar

Com a ajuda do programa de financiamento BipZip (Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária de Lisboa) da Câmara Municipal de Lisboa, o projeto começou a gatinhar e, pouco tempo depois, a andar com equilíbrio: já são mais de 68 avós a trabalhar! A trabalhar em quê? Em produtos muito coloridos – almofadas, bolsas, carteiras, mantas, tecidos com serigrafia entre outros – que juntam técnicas tradicionais com traços mais modernos. Os produtos são postos à venda em vários pontos de venda (e também no próprio atelier) e são expostos em galerias e museus de todo o mundo.

Embora este seja um projeto "moderno", apenas pessoas com mais de 60 anos podem integrá-lo. Com idade inferior a 60 anos, é uma brincadeira de Susana e de Ângelo: “temos muita pena, mas tem de voltar daqui a uns anos”, diz-me por entre risos. Se bem que, jovens, podem ser voluntários! “A ideia é também podermos juntar as gerações e podermos aprender uns com os outros”, explica-me a designer.
 

Lucros partilhados por todos

“Muitas vezes eu sinto que o trabalho é aquilo que nos identifica. Normalmente, quando nos apresentamos a alguém que não conhecemos, dizemos o nosso nome e, logo de seguida, se gostarmos do que fazemos [risos], dizemos o que é que nos caracteriza. ‘Eu sou designer’ é logo a segunda coisa que eu digo”.

Image and video hosting by TinyPic
Foto © A Avó Veio Trabalhar

Quando nos reformamos tudo parece um ambiente de férias e de descanso “mas depois o que é que nos caracteriza?”, pergunta Susana. “O trabalho não tem de ser visto como uma coisa cansativa, dolorosa e nefasta”, mas sim como “um papel de dignidade na sociedade”, conclui.

 N’A Avó Veio Trabalhar há uma coleção nova de 3 em 3 meses. Quanto aos lucros, são partilhados por todos e, quando não em dinheiro, traduzem-se em “vouchers, idas ao cinema e outras compensações para a vida destas pessoas”.
 

O atelier e as pessoas

A designer começa por me dizer: “mais do que este ser o meu espaço e do Ângelo, esta é a casa deles”. E não se engana nada. Os sofás antigos e as caixinhas de metal que tanto me fizeram relembrar a caixa de botões da minha avó são prova disso. Ali, naquele espaço, vive-se o ambiente típico da casa da avó – de qualquer avó.

Image and video hosting by TinyPic

Como é passado um dia no atelier, querem saber? Eu quis. “É fácil!”, diz-me logo. E continua: “Se nós marcarmos um horário, os nossos avós vêm sempre meia hora antes! A porta está aberta. Sentamo-nos, partilham-se ideias, fazem-se testes… O facto de termos esta montra aberta para a rua faz com que toda a gente que aqui mora entre pelo menos para dizer ‘bom dia’, todos os turistas entram encantados com o projeto…”.

Os produtos, quando postos à venda e em exposição, têm uma etiqueta com a fotografia do respetivo produtor. “A pessoa que produz fica sempre um bocadinho atrás do pano e queremos passá-los [aos avós] para a frente do pano”, explica-me. Até porque as avós gostam de saber que alguém lhes comprou determinada peça ou que ela está exposta no museu y.
 

A A Avó Veio Trabalhar é um dos projetos da Associação Fermenta, cuja forma de atuar é através do design cultural e social, mas os mentores prometem novos projetos muito em breve. Sobre a Avó Veio Trabalhar, confessam: “O que nós lhes damos [aos avós] é uma nova maneira de ver o mundo mas depois é tão pouco comparado com aquilo que eles depois nos dão a nós”.

Image and video hosting by TinyPic
O psicólogo Ângelo Campota e a designer Susana António são os mentores deste projeto que já conta com 68 'avozinhas' – Foto @ Catarina Sanches

“Eles estão mais novos. Têm outro discurso, têm uma preocupação diferente com a aparência, são mais participativos…”, conta-me a Susana. Recentemente, o projeto abriu um novo espaço em Campo de Ourique. E em breve hão-de abrir novos locais pelo país. Susana diz, com num sorriso cúmplice, que este ponto “é algo que não vai demorar muito tempo a acontecer”.
 

E também há workshops! Geralmente há 1 ou 2 workshops por mês. As temáticas são variadas e os locais escolhidos também são diversificados. Para irem sabendo mais sobre estas atividades que garantem “pelo menos 60 anos de experiência”, basta seguir de perto o Facebook d’A Avó Veio Trabalhar.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close