Negócios e Empreendorismo

Lello & Irmão: a “catedral” do livro

Elogiada desde sempre pela sua beleza e pela qualidade da oferta, a Livraria Lello & Irmão, na cidade do Porto, é procurada por todos, desde turistas a estudantes. Distinguida recentemente pela imprensa internacional, inaugurou oficialmente como
Versão para impressão
Elogiada desde sempre pela sua beleza e pela qualidade da oferta, a Livraria Lello & Irmão, na cidade do Porto, é procurada por todos, desde turistas a estudantes. Distinguida recentemente pela imprensa internacional, inaugurou oficialmente como Lello & Irmão em 1906. Em 1994, as obras de restauro, a cargo do arquiteto português Vasco Morais Soares, permitiram que  continuasse a manter o estatuto de ex-libris nacional.

“A riqueza de tons do grande vitral, o recorte gracioso das janelas, a balaustrada da galeria e os grandes candelabros situados nos ângulos que demarcam esse espaço, as linhas das ogivas que se entrelaçam no tecto (.), deixam o visitante deslumbrado”. A 13 de janeiro de 1906, no dia da inauguração, era assim que um jornalista da época classificava a livraria Lello & Irmão.

Mais de um século depois, a Livraria Lello & Irmão, continua a merecer os mais rasgados elogios não só à beleza arquitetónica do seu espaço, único no mundo, mas também pela qualidade do serviço que dispõe.

“Em 1994, quando a adquirimos e restaurámos, a livraria Lello &Irmão estava exausta, obsoleta. Trabalhámos para a revitalizar e demorámos 11 meses a restaurá-la e a deixá-la exatamente como aquando da inauguração em 1906”, explica ao Boas Noticias Antero Braga, diretor-geral da sociedade que agora gere a livraria e que conta, para além de Eduardo Martins Soares, com José Manuel Lello, bisneto do fundador.

Foi esse trabalho que, em 1998, seria reconhecido pelo jornal britânico “The Guardian” que a considerou a terceira mais fantástica do mundo. Já este ano foi o jornal norte-americano “Huffington Post” que a incluiu como número dois num top 10, ressalvando a beleza da livraria e a competência do seu pessoal.

“Quando a restaurámos o nosso objetivo era trazê-la de novo para cima e vê-la reconhecida internacionalmente, por isso estas distinções dão-nos muito prazer a nós e a todos os portugueses”, admite Antero Braga.

A Lello & Irmão aposta acima de tudo numa relação de qualidade e proximidade com o cliente. “Achamos fundamental esta ligação porque acreditamos que o país é mais rico quanto mais cultura tem e oferece. Para nós é inexistente a palavra “não” na Lello & Irmão. Se não temos o livro, encontramos quem tenha” garante-nos Antero Braga, que confessa já ter inclusive emprestado livros da sua biblioteca privada a estudantes que não encontravam em tempo útil o livro ou manual que precisavam.

“A nossa grande aposta foi informatizar a livraria de modo a integrar todo o nosso espólio e facilitar a pesquisa. Mas tivemos a preocupação de não deixar nem um fio à vista para não descaraterizar o espaço e manter ao máximo o espírito de 1906”, garante o administrador.

Para breve esperam integrar a Livraria numa rede internacional online de modo a garantir uma rede mais completa de serviços e que possa levar o nome da Livraria a mais pessoas.

Espera-se assim que à Rua das Carmelitas, 144, afluam mais interessados em apreciar os livros, a “divina” estrutura neogótica da Lello & Irmão e que possam, no fim da visita, fazer a exclamação inevitável: “Vês como valeu a pena entrar!”


Texto e reportagem fotográfica: Ana Margarida Pereira

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close