Inovação e Tecnologia

Leiria: Cadeira de rodas inteligente e de baixo custo

Um grupo de estudantes do Instituto Politécnico de Leiria criou um protótipo de uma cadeira de rodas inteligente e de baixo custo que facilita a movimentação autónoma.
Versão para impressão
Um grupo de estudantes do Instituto Politécnico de Leiria criou um protótipo de uma cadeira de rodas inteligente e de baixo custo. Trata-se de um equipamento convencional revolucionado com a adaptação de um “kit” de motorização amovível que facilita a movimentação autónoma dos portadores de deficiência, quer através de um “joystick”, de comandos de voz ou até do movimento da íris.
 
Ricardo Martinho, coordenador da licenciatura em Informática para a Saúde, no âmbito da qual foi desenvolvido este projeto, explicou ao Boas Notícias que “os materiais utilizados foram praticamente todos reciclados” e incluem, além da cadeira de rodas tradicional, isto é, não motorizada, “motores DC, baterias, um portátil, duas webcams, um capacete” e mais algum material como interruptores e fios.
 
Para Ricardo Martinho, as principais forças desta inovação são, por um lado, o baixo custo e, por outro, a possibilidade de acoplar o módulo de motorização amovível a uma cadeira de rodas tradicional e removê-lo conforme se pretenda.
 
O responsável salientou que “o custo de uma cadeira de rodas elétrica começa nos 3.000€, sendo que esta não possui qualquer tipo de processamento 'inteligente' de dados”, ao contrário do protótipo dos estudantes cujo custo de produção ronda os 1.000€, incluindo portátil, sensores, webcams, motores e bateria.

Angariar parceiros e financiamento
 

Além disso, o “kit” de motorização poderá ser colocado e retirado mediante a vontade do utilizador e “deverá ainda poder facilmente comutar-se entre o modo 'autónomo' e o modo 'manual', onde o próprio utente ou um auxiliar possa conduzir manualmente a cadeira”. 
 
Outro benefício, acrescentou Ricardo Martinho, tem a ver com a possibilidade de uma organização de saúde gerir os “kits” amovíveis que possui “e facilmente reutilizá-los” em diferentes cadeiras de rodas normais, não sendo necessária a aquisição de um módulo por cadeira.
 
No que respeita ao futuro, Ricardo Martinho garantiu que vão ser feitos “todos os esforços para angariar parceiros e financiamento para a produtização desta ideia”. Neste âmbito, o grupo vai “refinar o protótipo, com as colaborações das áreas da Engenharia Mecânica e Eletrotécnica” e concorrer a projetos como o FCT ou o QREN para colher apoios monetários.
 
Em paralelo, o coordenador afirmou que os estudantes de Informática da Saúde serão incentivados a desenvolver versões futuras do protótipo como projeto de final de curso. Isto porque “um dos objetivos é precisamente servir para preparar os estudantes para o mercado de trabalho e um grande propósito do nosso ensino é a sua vertente do saber fazer”, concluiu.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes e Fernando Pereira]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close