Fitness & Bem-estar

Lado B de Lisboa: Jardim do Museu da Cidade

Aqui ainda se respiram memórias do século XVIII, altura em que foi construído o Palácio Pimenta, no Campo Grande. É este espaço que alberga, desde 1979, o Museu da Cidade.
Versão para impressão
Aqui ainda se respiram memórias do século XVIII, altura em que foi construído o Palácio Pimenta, no Campo Grande. É este espaço que alberga, desde 1979, o Museu da Cidade

Morada: Campo Grande, 245, 1700-091 Lisboa (perto da 2ª circular)

Horário: Terça-feira a Domingo – 10h-13h/14h-18h (encerra às 2.ªfeiras e feriados)
Preços: Entrada livre no jardim e nas exposições dos pavilhões; 2 euros exposição permanente (ao domingo de manhã é livre)

Embora seja um dos redutos mais importantes da história da capital portuguesa, são muitos os alfacinhas que nunca visitaram este museu e os seus jardins. Na exposição permanente, é possível descobrir o passado da cidade e viver a sua evolução através de pinturas, azulejos, mapas, maquetas e outros objetos históricos.
 


A mostra viaja desde os primórdios da ocupação humana, ainda na pré-história, até ao século XX, sendo que um dos elementos que mais brilha é a maqueta de Lisboa nas vésperas do terramoto de 1755.

Mas para quem procura um momento de introspeção, o que vale mesmo a pena é visitar a paisagem verde do palácio. Passando o arco do edifício principal, temos acesso à alameda que atravessa o jardim, até ao Pavilhão Preto. À nossa esquerda estende-se uma pequena mata com sobreiros, zambujeiros e flores que inundam o ar com um cheiro primaveril. No centro, está a fonte de pedra com estátuas de sereias e tritões.

Por todo o lado, há bancos de madeiras que convidam a fazer uma pausa, nem que seja por breves momentos, e quem sabe ler as páginas de um livro. Por trás da mata, encontra-se o Pavilhão Branco. Ambos os pavilhões acolhem exposições temporárias, sempre de entrada livre. 
 

No lado oposto ao Pavilhão Preto, e separado por um elevado muro, esconde-se o romântico jardim de bucho com os seus arbustos recortados em formas geométricas. Desde 2010 este jardim passou a exibir uma coleção de cerâmicas Bordallo Pinheiro desenhadas pela artista Joana Vasconcelos. Caracóis, abelhas, caranguejos gigantes e outras estranhas criaturas habitam este delicado jardim, mergulhando os visitantes num universo único e onírico.

Os pavões passeiam entre os visitantes exibindo orgulhosos as suas caudas verdes e azuis. Entre eles, destaca-se um surpreendente pavão branco, tão alvo como um vestido de noiva. São criaturas amistosas, afeiçoadas ao seres humanos, e que aguardam, a todo o momento, a nossa visita.
 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close