Sociedade

Jovens portugueses têm estilo de vida saudável

A maior parte dos jovens portugueses não sai à noite, não fuma, não bebe álcool e usa preservativo quando tem relações sexuais. Um estudo realizado a mais de cinco mil adolescentes mostra que os jovens portugueses têm comportamentos adequados e um es
Versão para impressão
A maior parte dos jovens portugueses não sai à noite, não fuma, não bebe álcool e usa preservativo quando tem relações sexuais. Um estudo realizado a mais de cinco mil adolescentes mostra que os jovens portugueses têm comportamentos adequados e um estilo de vida saudável.

Seis em cada dez não saem à noite com os amigos e o consumo de tabaco e de álcool diminuiu em quatro anos: um quinto dos jovens responde que já se embriagou mas apenas uma ou três vezes. Apenas na experimentação de drogas o indicador é menos positivo, tendo registado o aumento de umas décimas, nos últimos quatro anos.

Estes são os resultados preliminares do estudo realizado pela Faculdade de Motricidade Humana para a Organização Mundial de Saúde. O estudo foi apresentado ontem, em Lisboa, e os resultados finais serão conhecidos em Abril.

O estudo conlui também que os jovens iniciam a vida sexual por volta dos 16 anos e que essa “iniciação” não está relacionada com o consumo de álcool ou de drogas (87,3 por cento). Em termos de prevenção de doenças e gravidez, 96,2% das raparigas usam o preservativo, enquanto nos rapazes essa percentagem é de 94,2.

Trata-se de um estudo colaborativo feito de quatro em quatro anos, com o objectivo de estudar os estilos de vida e os comportamentos adolescentes. Os dados portugueses foram recolhidos para o relatório de 2012, onde se reúne a informação de outros 43 países.

“Há questões que fazem muito barulho [como o bullying] mas que não são universais. Há realidades que são só da nossa rua”, justifica a coordenadora portuguesa Margarida Gaspar de Matos (da FMH) ao jornal Público. Por isso, apesar da crise económica, “cada vez há menos miséria cultural e económica em Portugal”.

“Há nichos preocupantes mas residuais, pelo menos no modo como os alunos percebem e nos relatam os factos”, aponta a professora da Faculdade de Motricidade Humana, da Universidade Técnica de Lisboa.

Segundo o inquérito feito a cinco mil jovens de 136 escolas públicas (as mesmas desde 1998), os pais também melhoraram a sua escolaridade, um factor que pode ser responsável pela melhoria destes indicadores.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close