Sociedade

Jovens portugueses mais empreendedores

NULL
Versão para impressão

Há cada vez mais jovens portugueses empreendedores com vontade de inovar e criar os seus próprios projetos. Por outro lado, Portugal é um bom local para desenvolver um negócio virado para a exportação. Estas foram duas das ideias defendidas na 5ª edição do Luso2011, que se realizou no dia 18 de junho,  na Universidade de Nottingham, Reino Unido.

Nos últimos 15 anos tem-se verificado um aumento do empreendedorismo dos jovens portugueses e esta opção é já encarada como alternativa à vida académica.

“Hoje todas as faculdades de economia estão a ter cadeiras de empreendedorismo, mais do que uma, e as faculdades de engenharia começam a ter cadeiras de gestão”, contou à agência Lusa, Manuel Forjaz, empresário e professor universitário de empreendedorismo, que esteve presente no Luso 2011.

O professor da Universidade Nova de Lisboa apresentou, em conjunto com Ricardo Zózimo, uma sessão sobre empreendedorismo social que atraiu muitos dos cerca de 70 participantes do Luso2011.

“Acho que é transversal à juventude portuguesa […] a vontade de aprender, construir, criar a sua independência em relação aos seus próprios projetos e acho que essa revolução está a acontecer e vai acelerar muito nos próximos anos”, afirmou Manuel Forjaz.

Portugal é bom para desenvolver empresas de exportação

No mesmo encontro, o presidente executivo da Living PlanIT, a primeira cidade sustentável e inteligente da Europa que está a nascer em Paredes, garantiu que Portugal é um bom país para desenvolver um negócio se o objetivo for exportar.

“Se se tem uma companhia virada para o estrangeiro e há mercados bons e vibrantes para onde exportar produtos, Portugal é um óptimo sítio para estar”, garantiu Steve Lewis à agência Lusa em Nottingham.

Vivendo há três anos e meio em Portugal, Steve Lewis afirma ter uma experiência positiva devido a vários factores, com destaque para o “talento incrível” que encontrou, essencial para um negócio de investigação, desenvolvimento e engenharia.

“Encontrámos pessoas com uma ética de trabalho muito forte, altamente cooperativos, criativos, poliglotas, multiculturais”, elogiou o cofundador do projecto.

Outras vantagens do país que referiu foram a localização geográfica, as infraestruturas de transportes e telecomunicações e ainda uma boa qualidade de vida, importante para atrair alguns profissionais para se instalarem em Portugal.

Lewis diz que não se intimida com as restrições atuais da economia portuguesa e está confiante de que o crescimento da Living PlanIT vai contribuir para a economia de Portugal através da incubação de empresas e trabalho com pequenas e médias empresas.

Clique AQUI para aceder ao Luso 2011.

[Noticia sugerida por Bruno Melo e Raquel Baêta]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close