Sociedade

Jovem desempregado abre barbearia ‘vintage’

Com apenas 22 anos, Fábio Afonso quis deixar as listas do desemprego e mudar de vida. Em pleno interior do país, o jovem desempregado fintou a crise e apostou no empreendedorismo. Tirou o curso de barbeiro e subiu ao "Palco do Barbeiro", uma barbeari
Versão para impressão
Com apenas 22 anos, Fábio Afonso quis deixar as listas do desemprego e mudar de vida. Em pleno interior do país, o jovem desempregado fintou a crise e apostou no empreendedorismo. Tirou o curso de barbeiro e abriu o “Palco do Barbeiro”, uma barbearia 'vintage' no centro de Valpaços.  
 
Com uma mãe que mudava de penteado quase todas as semanas, Fábio herdou o gosto pelos cabelos e penteados desde muito cedo. Quando era mais novo e lhe perguntavam o que queria ser quando fosse grande, a resposta era apenas uma, sem hesitações: cabeleireiro.

Mas só depois de perder o emprego como 'designer' gráfico num gabinete de arquitetura é que o jovem se voltou para as antigas ambições. Aceitou o desafio da mãe e, durante três meses, no Porto, tirou o curso de barbeiro. 

 
Mais tarde, com a ajuda dos pais, abria as porta d' “O Palco do Barbeiro”, no centro de Valpaços, a cidade transmontana onde cresceu e de onde não quer sair. 

Além de barbeiro, Fábio assumiu ainda o papel de decorar, adaptando a barbearia a um estilo 'vintage', com móveis e peças compradas na internet ou que lhe eram oferecidas.
 
A cadeira, por exemplo, foi a peça mais cara do espaço mas, para o jovem, é a mais bonita de todas. Comprada a um vendedor de Ermesinde através da Internet, diz ter custado “um balúrdio”. Já o armário, foi-lhe oferecido pela avó, e restaurado para integrar a mobília da loja.


Numa vitrina são exibidas navalhas, máquinas e pincéis oferecidas pela mulher de um antigo barbeiro de Valpaços que Fábio achou que teriam “mais utilidade” ali do que no sótão.
 
Mas apesar do especial gosto pela navalha, é com a tesoura que Fábio mais trabalha. “Faço mais cortes do que barbas. Antigamente, a realidade era outra. Hoje, os homens têm as ‘gillettes’ descartáveis e fica-lhes mais barato”, disse, em declarações à agência Lusa.

“Negócio da navalha dá para todos”

Ainda assim, prefere ser tratado como barbeiro porque “adora” fazer barbas. “Barbeiro remete para homem e cabeleireiro tanto é para mulher como para homem. Isto é a mesma coisa do que chamar café a um bar e bar a um café”, afirmou.
 
Hoje, de portas abertas há cerca de cinco meses, admite que o negócio se ressente um “pouquinho” da crise. “Os homens agora pedem-me ‘carecadas’ para o cabelo demorar mais a crescer e não terem de cortar tão cedo. E alguns compram máquinas para cortar em casa porque fica mais barato”, explicou.

Com clientes dos oito aos 80 anos, o jovem barbeiro conta que os “mais antigos” estranham ver uma pessoa tão jovem com a mestria da navalha, ficando até reticentes. Mas, uma vez sentados na cadeira, ficam “tranquilos”, chegando mesmo a adormecer.
 

“As pessoas têm a ideia de que quem faz barbas é velho e está no final da sua vida profissional”, afirmou. Por isso mesmo, no início, muitos estranharam a ideia, mas depois “acharam piada” e até batizaram o jovem como “o amigo barbeiro”.
 
Na cidade existem outros quatro barbeiros, todos mais velhos do que Fábio, a quem gosta de chamar de “colegas” e não “concorrentes”, porque o “negócio da navalha dá para todos”.

Clique AQUI para aceder à página de Facebook d' “O Palco do Barbeiro”.

Notícia sugerida por Patrícia Guedes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close