Cultura

Jovem de 22 anos edita quarto livro de poesia

Ter quatro livro de poesia aos 22 anos, já é "obra", mas se pensarmos que além disso Nuno F. Silva transporta consigo o desafio da paralisia cerebral, esta conquista torna-se ainda mais impressionante
Versão para impressão
Metamorphosis
 
Que seja alva a morte do poeta 
como o silêncio da madrugada. 
Mostrem-lhe a luz em graça 
pois dedicou a vida 
a estudar o relevo das sombras 
e tacteou sempre as rosas 
pelo lado soturno do deslumbramento.
 
Este é apenas um dos poemas que dão vida às páginas do livro “Lunescer“, a mais recente obra de Nuno F. Silva. Com apenas 22 anos, este jovem natural de Paredes, Douro-litoral, acaba de editar o seu quarto livro de poesia, com selo da editora Lua de Marfim.
 
Ter quatro livros de poesia aos 22 anos, já é “obra”, mas se pensarmos que além disso Nuno F. Silva transporta consigo o desafio da paralisia cerebral, esta conquista torna-se ainda mais impressionante embora, para o jovem poeta, o processo tenha sido “muito natural”.
 
“Comecei a escrever poesia com 15 anos, quando senti que tinha alguma coisa para dizer ao mundo. Não é que achasse que o mundo me deveria ouvir, simplesmente não podia deixar certas coisas morarem dentro de mim. No fundo foi algo muito natural”,  conta Nuno F. Silva ao Boas Notícias.
 
A notícia do terceiro livro de Nuno F. Silva, “Frágil”, lançado em edição de autor, despertou a curiosidade de Paulo Afonso, editor da Lua de Marfim, que contactou o jovem para saber se ele tinha mais algum material original por editar. 

“O Nuno enviou-me uma série de poemas para analisar, sem compromisso. Eu gostei imenso do que li e decidi avançar para este livro”, conta Paulo Afonso ao Boas Notícias.
 

Poesia “foi o meu segundo nascimento”

O poeta tinha, de facto, mais material na gaveta e assim, com uma distância de poucos meses em relação ao livro anterior, acaba de editar o seu quarto livro de poesia. 
 

Nuno F. Silva admite que o desafio da paralisia cerebral está presente na sua poesia “porque tudo aquilo que criamos é fruto do que somos” mas garante que os seus poemas vão muito para além disso. 


A minha poesia “reflete uma evolução de mim, não só no campo literário. É uma evolução da minha humanidade, do meu pensamento, e por consequência dos meus estados de espírito, da minha visão de mundo”. “Dizem que nascemos e morremos muitas vezes durante a vida, começar a escrever foi talvez o meu segundo nascimento”, sublinha o poeta.  

Ultrapassar o receio de ouvir um “não”

Nuno F. Silva admite que editou os livros anteriores em edição de autor porque se sentia inseguro para apresentar a sua obra a uma editora. “Há sempre a sensação de que não somos suficientemente bons. O receio de ouvir um não”, admite.
 

Contudo, Nuno encontrou na poesia aquilo que “todos devemos encontrar na vida”, ou seja, “aquilo que nos dá a vontade de viver o dia seguinte”. Por isso, o poeta deixa um conselho a todos aqueles que hesitam na hora de seguir um sonho. “Que arrisquem, pois só saberemos se somos bons em determinada arte se arriscarmos. E, mais importante: nunca deixarmos que nos digam que aquilo em que acreditámos não vale a pena. Nunca!”.
 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close