Em Destaque Lifestyle

Jovem açoriana cria malas em madeira com fibra de ananás

Malas de senhora em madeira de criptoméria, com couro de fibra de ananás, vão estar disponíveis a partir deste ano, para venda online.
Versão para impressão
por redação

A ideia original é de Sónia Pereira, arquiteta e empreendedora dos Açores, que já tem encomendas de diversas personalidades nacionais e mundiais.

“A partir de um protótipo já houve encomendas do produto final, por exemplo, o primeiro-ministro das Bermudas encomendou uma mala, o presidente da IBM Portugal também fez uma encomenda para a sua esposa”, afirmou, em declarações à agência Lusa, Sónia Pereira, assegurando que se trata de um produto “maleável, leve, que traz o aroma da madeira”.

Filha de um carpinteiro, Sónia Pereira desde cedo se habituou a apreciar a madeira, mas foi após a licenciatura em arquitetura, em Lisboa, e de ter vencido, em 2012, um concurso regional de empreendedorismo, com o projeto ‘Casa de bonecas’, que decidiu enveredar pela área da moda.

“Consegui perceber que há um grande potencial nesta matéria-prima”, referiu, acrescentando que a ideia das malas surgiu da necessidade de criar algo pessoal e inovador para usar num evento social.

Depois de ter conquistado o prémio regional de ter recorrido a fundos comunitários para adquirir equipamento e de se ter instalado no parque de tecnologia da ilha de São Miguel, na cidade da Lagoa, começou a dar vida a protótipos de malas.

Neste momento o seu ateliê está a ultimar a primeira coleção, que será lançada em 2017, com três modelos de malas, de diferentes dimensões. “Nesta primeira colecção estamos a trabalhar com o tema ‘Raízes’, que resultou do livro escrito pelo Dr. Augusto Athayde, em que conta a história da chegada da criptoméria aos Açores, que foi trazida por José do Canto”, referiu a jovem empresária, defendendo que o seu produto tem a história dos Açores associada.

A área de floresta nos Açores tem 12.698 hectares de matas de criptoméria (Cryptomeria japonica D. Don) e cerca de 4.500 hectares estão sob a gestão do Governo Regional. Destes, 2.119 hectares encontram-se na ilha de São Miguel.

O processo criativo e de corte da matéria-prima é da responsabilidade de Sónia, bem como o revestimento final do produto feito manualmente nos Açores. A confeção da base da mala decorre na região norte do país.

Para conseguir chegar ao produto final são utilizadas máquinas laser e 3D, de última geração, e é aproveitada uma parte da criptoméria que é pouco valorizada – as primeiras camadas do exterior das árvores.

“É um produto totalmente natural, amigo do ambiente e com matérias-primas locais, para mostrar o quanto os Açores são bonitos”, alegou a empresária, revelando que o preço das malas ainda não está definido.

De acordo com Sónia Pereira, que considera que ser empreendedora é “um desafio encantador e também um desafio que assusta”, ideias para futuros projetos na moda não lhe faltam, mas por agora prefere concentrar-se em produzir malas.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close