Negócios e Empreendorismo

Jornal canadiano “faz passeio” pelo Vale do Douro

Uma crónica publicada no The Globe and Mail conta a experiência da visita a duas quintas da região e o fascínio causado pela tradição ancestral que ainda se mantém de pisar a uva, elogiando ainda os vinhos do Porto.
Versão para impressão
O Vale do Douro esteve, em Agosto, entre os destaques do jornal canadiano The Globe and Mail. Uma reportagem publicada na secção “Destinos” do jornal conta a experiência da visita a duas quintas da região e o fascínio causado pela tradição ancestral que ainda se mantém de pisar a uva, elogiando ainda os vinhos do Porto, que continuam a afirmar o seu estatuto pelo mundo.
 
No artigo, a cronista Susan Smith revela que viajou com o marido até à Invicta para “testemunhar a transformação” nas vinhas do Douro, em especial o “renascimento da produção vitivinícola” após a entrada de Portugal na União Europeia, que permitiu a muitos produtores voltar a exportar as suas próprias marcas de Vinho do Porto, bem como tintos e brancos muito premiados internacionalmente.
 
Numa passagem pela Quinta do Portal, a autora diz ter descoberto mais sobre o “velho ritual” de pisar as uvas “praticado desde que os romanos eram donos do mundo Ocidental” e que permite, explica Smith, “libertar o sumo das uvas que tornou estes vales famosos pelo seuVvinho do Porto”.
 
Além de uma viagem até ao passado e uma volta pelo lagar, onde um santo – “provavelmente S. Vicente, um santo padroeiro do vinho”, escreve a cronista – se destaca na parede, houve ainda tempo para um “salto” ao futuro com a visita à cave de 4.700 metros quadrados com temperatura controlada desenhada por Siza Vieira, um “exemplo brilhante de modernidade”.
 
A ida ao Vale do Douro incluiu ainda a passagem por uma outra quinta, a Quinta de La Rosa, que tem marcado a diferença graças aos seus vinhos de mesa. Pelo caminho, “as vinhas e as oliveiras a brilhar ao sol, além das curvas e contracurvas” sobressaem na paisagem, completa com os barcos rabelos, antigo transporte do vinho.
 
Por entre o discurso elogioso, Susan Smith deixa ainda um conselho aos amantes do vinho que queiram seguir-lhe o exemplo e conhecer a região portuguesa. “Se sofrem de vertigens ou não gostam de muitas voltas, considerem a hipótese de explorar o Vale do Douro de barco”, sugere.
 
“Porém, a viagem de carro permite apreciar os séculos de trabalho manual” dos antigos viticultores que possibilitaram o nascimento das vinhas e da paisagem que é, hoje, célebre em todos os mapas vínicos internacionais, conclui a cronista.

Clique AQUI para aceder à crónica do The Globe and Mail (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close