Ciência

Islândia: Cientistas transformam CO2 em pedra

Investigadores da Islândia conseguiram converter dióxido de carbono (CO2) em pedra, num método que representa uma alternativa adicional no combate aos gases do efeito estufa. A ideia por detrás do Projet Carbfix é solidificar o CO2 indesejado.
Versão para impressão
Investigadores da Islândia conseguiram converter dióxido de carbono (CO2) em pedra, num método que representa uma alternativa adicional no combate aos gases do efeito estufa. A ideia por detrás do Projet Carbfix é solidificar o CO2 indesejado.

Para conseguirem transformar o CO2 num sólido estável, os cientistas injetaram gás carbónico e água no interior de rochas vulcânicas (basálticas). As reações com os minerais, localizados nas camadas mais profundas de basalto, transformaram o dióxido de carbono num sólido com uma consistência semelhante a giz.

No entanto ainda existem variáveis a considerar. O processo requer infraestruturas preparadas para bombear gás, está dependente de grandes quantidades de água e é caro. Em contrapartida, a abundância de rocha basáltica na Islândia e no mundo (incluindo a crosta oceânica, abaixo do leito oceânico) oferece uma possibilidade real de combater as emissões globais de CO2.

95% do gás convertido em pedra

Outro dado animador sobre este método é a rapidez do processo. Em declarações ao programa “Science in Action” da BBC, o coordenador do estudo, Juerg Matter (Universidade de Southampton, Reino Unido) explicou que 95% das 220 toneladas de gás carbónico injetado foi convertido em pedra calcária. “Foi uma grande surpresa  para todos os cientistas envolvidos no projeto”, referiu à BBC. Anteriormente pensava-se que este processo poderia levar séculos ou até milénios.

Os cientistas trabalharam em conjunto com a usina geotérmica de Hellisheidi, em redor de Reykjavik, para combinar gás carbónico e água. A reação destas duas componentes produz um líquido levemente ácido que é injetado a centenas de metros de profundidade, nas rochas basálticas.

Graças ao reduzido pH da água (3.2), é possível dissolver os íons (cálcio e magnésio) nas camadas de basalto, que reagem ao dióxido de carbono para gerar carbonatos de cálcio e magnésio. Uma série de tubos inseridos no local dos testes recolhe pedras com carbonatos brancos que ocupam os poros das rochas.

Para medir eventuais fugas de CO2 para a superfície ou através de escoamentos na água, os investigadores assinalaram-no com carbono-14, uma substância radioativa. Até à data, contudo, não foi detetado nenhum vazamento.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close