Saúde

Ir a pé para o trabalho previne diabetes e hipertensão

Aqueles que vão a pé para o trabalho têm cerca de 40% menos probabilidade de vir a sofrer de diabetes do que os que conduzem ou apanham um táxi até ao emprego.
Versão para impressão
Aqueles que vão a pé para o trabalho têm cerca de 40% menos probabilidade de vir a sofrer de diabetes do que os que conduzem ou apanham um táxi até ao emprego. A conclusão é de uma investigação britânica, que revelou que pedalar, caminhar ou ir trabalhar de transportes públicos previne o desenvolvimento de vários problemas de saúde.
 
Um grupo de cientistas do Imperial College London e da University College London, em Inglaterra, examinou a forma como vários indicadores de saúde estão associados ao tipo de deslocação escolhido pelos indivíduos para chegar ao trabalho recorrendo a dados de um inquérito feito a 20.000 pessoas no Reino Unido.
 
A equipa descobriu que ir de bicicleta, a pé ou de transportes públicos são escolhas que aparecem associadas a um menor risco de excesso de peso do que conduzir ou apanhar um táxi e que aqueles que vão a pé até ao trabalho têm uma probabilidade 17% menor de vir a desenvolver hipertensão arterial. Já os “ciclistas” reduzem, ao pedalar, a probabilidade de ter diabetes em cerca de metade.
 
De acordo com os resultados do estudo, publicado na revista científica American Journal of Preventive Medicine, 19% dos adultos em idade ativa que usavam transporte privado (como carros, táxis ou motas) eram obesos, contra 15% daqueles que iam trabalhar a pé e 13% dos que pedalavam até ao emprego.

Evitar usar o carro reduz problemas de saúde graves
 

Segundo os especialistas, coordenados por Anthony Laverty, da School of Public Health do Imperial College London, evitar usar o carro pode, portanto, reduzir os riscos de problemas de saúde graves como ataques cardíacos. 
 
“Este estudo sublinha a importância de incorporar a atividade física na rotina diária ao caminhar, pedalar ou usar transportes públicos para chegar ao trabalho e o facto de esta atividade ser boa para a saúde individual”, explica Laverty em comunicado. 
 
Laverty acrescenta ainda que, durante a investigação, se observaram diferenças entre os tipos de transporte utilizados em partes distintas do Reino Unido. Os transportes públicos, por exemplo, eram principalmente utilizados em Londres (52%), ao passo que apenas 5% recorriam a eles na Irlanda do Norte.
 
“As variações entre regiões sugerem que as infraestruturas e o investimento em transportes públicos, em espaços adequados para caminhar e para andar de bicicleta podem desempenhar um papel importante no que toca a encorajar uma vida mais saudável, e que encorajar as pessoas a deixar o carro pode ser bom para elas e para o ambiente”, conclui.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close