Ciência

Investigadores tornam cérebro transparente

Cientistas norte-americanos conseguiram obter uma imagem tridimensional do sistema nervoso central ao tornar o cérebro transparente. O estudo pretende facilitar o tratamento de problemas associados ao sistema cerebral sem recorrer à cirurgia.
Versão para impressão
Cientistas da Universidade de Stanford, na Califórnia, conseguiram obter uma imagem tridimensional do sistema nervoso central ao tornar o cérebro transparente. A investigação publicada este mês na revista britânica Nature pretende facilitar o tratamento de problemas associados ao sistema cerebral sem ter de recorrer à cirurgia.
 
O processo “Clarity” permite aos especialistas ver os neurónios e as suas conexões através de uma visão microscópica sem ter de abrir o cérebro. O tratamento químico testado em pequenos ratos utiliza um hidrogel, criado naturalmente a partir do cérebro, que vai substituir os lipídios existentes no cérebro, moléculas de gordura que bloqueiam a entrada de luz para o órgão.
 
Os investigadores puseram de parte a extração dos lipídios pelo risco de as proteínas do cérebro se dissolverem, tendo recorrido à técnica de infusão de acrilamida, uma amida que une proteínas, ácidos nucleicos e biomoléculas. Em dois dias o cérebro tornou-se transparente.

Image and video hosting by TinyPic

Quando aquecida, a acrilamida conduz à formação de um tecido natural que mantém a estrutura das moléculas, registando uma perda de apenas 8% de proteínas, inferior aos 41% totais obtidos em métodos já existentes.


Um dos mais importantes avanços da neuroanatomia
 
A equipa da Universidade de Stanford acredita que este estudo “é provavelmente um dos mais importantes avanços para o ramo da neuroanatomia em décadas”. O líder da investigação Karl Deisseroth explica, no site oficial da instituição, que “é possível aceder à delicada estrutura do sistema sem perder de vista” qualquer parte do cérebro.
 
O artigo publicado na revista britânica Nature revela que este estudo tem novas potencialidades no tratamento de várias doenças associadas à conexão cerebral, a distúrbios do cérebro e ao próprio envelhecimento.

De outra forma, “estes estudos eram impossíveis de realizar em pessoas ainda vivas, devido ao facto de os métodos exigirem a manipulação genética ou a injeção de corantes no cérebro”, explica a publicação científica.

Clique AQUI para aceder ao estudo publicado na revista Nature e AQUI para visualizar o comunicado da Universidade de Stanford (ambos em inglês).
 

Notícia sugerida por Patrícia Guedes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close