Educação e Formação Em Destaque

Investigadores do Laboratório de Antropologia Forense da UC distinguidos

Simpósio internacional da Forensic Anthropology Society of Europe (FASE)
Versão para impressão
por redação

David Navega e Mélanie Henriques, investigadores do Laboratório de Antropologia Forense (LAF) do Centro de Ecologia Funcional da Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra (FCTUC), foram distinguidos no simpósio internacional da Forensic Anthropology Society of Europe (FASE).

David Navega venceu o prémio  de “Melhor Apresentação Oral” com o trabalho “Lost in the Woods: The Value of Tree Ensemble Modelling for Adult Age-at-Death Estimation from Skeletal Degeneration” e Mélanie Henriques o de “Melhor Poster” com “Injury reconstruction using multi-criteria approach: a preliminary study”.

O principal objetivo do trabalho de investigação de David Navega foi demonstrar o valor de uma abordagem mais holística à análise esquelética e a aplicação de algoritmos de machine learning de modo a obter estimativas mais precisas e fiáveis da idade-à-morte, uma etapa crucial na fase reconstrutiva do processo de identificação em antropologia forense.

Não obstante o elevado número de trabalhos desenvolvidos sobre este tópico, as técnicas disponíveis permitem apenas obter resultados granulares e pouco precisos. O baixo valor preditivo dos métodos de análise macroscópica de restos humanos esqueletizados é atribuído a fatores tais como uma incorreta modelação computacional, estratégias de amostragem incorretas e uma sobrevalorização de abordagens de grande especificidade anatómica.

Já o estudo de Mélanie Henriques foca-se na análise de lesões traumáticas em casos forenses com indivíduos em avançado estado de decomposição ou já esqueletizados.

O objetivo é analisar se existe uma diferente distribuição de fraturas a nível do esqueleto na categoria dos traumatismos contundentes com diferentes origens (quedas e/ou confronto físico). Os dados foram recolhidos através de TAC’s do Hospital de Marselha, França. A amostra é composta por 288 casos de ambos os sexos, dos quais 259 apresentavam traumatismos causados por quedas e 29 devido a confrontos físicos.

Neste estudo preliminar observou-se que existe uma tendência para surgirem mais fraturas nos ossos da bacia quando ocorrem quedas e mais fraturas a nível facial aquando de confrontos físicos.

No mesmo evento, que decorreu em Milão, os investigadores Maria Teresa Ferreira e Calil Makhoul tornaram-se os primeiros portugueses a conseguir a certificação internacional em Antropologia Forense, nível II, pela FASE/IALM (International Academy of Legal Medicine).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close