i9magazine

Inovar na Organização: capital humano e modelos de gestão

Versão para impressão

A mudança social, cultural e tecnológica está a arrasar os velhos paradigmas do mundo do trabalho e, consequentemente, a mudar as “células organizacionais” que o sustentam, sejam elas empresas, instituições públicas, sociais ou outras. Se, em alguns casos, a evolução é incremental, noutras é disruptiva. Encontramo-la nas formas de organização do trabalho e nos outputs desse mesmo trabalho.

Os gestores já perceberam que ser uma empresa-líder num dado momento não garante nada no médio/longo prazo. Durante décadas, grandes conglomerados industriais e financeiros (sempre os mesmos) lideravam as listas das maiores empresas – basta ver a evolução da S&P 500. Hoje, empresas nascem do zero e afirmam-se rapidamente (e não necessitam de ser “dot.com’s” para tal), enquanto muitos gigantes caem estrondosamente, revelando os seus “pés de barro”. Ser grande deixou de ser o factor crítico de sucesso – ser rápido e flexível ganhou primazia.

Depois, a maioria dos responsáveis executivos já perceberam que o grande recurso para a mudança é o seu capital humano, pelo que começaram a refletir sobre as condições para explorar o seu potencial inovador. Esse capital humano já é bastante diferente daquele ao qual se aplicavam as receitas dos manuais de gestão do século XX. Temos hoje uma nova geração de profissionais que pretende mudar o status quo que encontra nas organizações. Revela graus elevados de formação, procura realização profissional (com achievements relevantes e rápidos), deseja aprendizagem constante e desafio permanente. Trabalha no paradigma “anytime, anywhere”. Desejam uma “licença” para serem criativos e, com isso, inovarem o universo empresarial que encontram. São as gerações Y e Millennial (todos nascidos pós-1980), bastante preparados para cumprir as teses de destruição criativa e inovação que Joseph Schumpeter defendeu no passado.

Por último, começa a ser consensual que a inovação começa na cultura da organização: uma cultura de tolerância ao risco, de autonomia e de responsabilidade individual. E só depois na estratégia e na estrutura. Acredito pois que, a nível da inovação organizacional, quatro tendências se irão reforçar mutuamente nos próximos anos:

  1. a) Estruturas organizacionais flexíveis: cada vez menos rígidas e verticais, pelo contrário, terão menos degraus hierárquicos, geometria variável em função da estratégia e dos projectos, fluxos processuais/ de informação céleres e uma conectividade constante entre profissionais e equipas.
  2. b) Processos de criatividade estruturada: progressivamente efetuados por equipas multidisciplinares, em conexão constante, dispersas geograficamente, com inputs de clientes finais e parceiros, aproveitando o conhecimento de toda a cadeia de valor.
  3. c) Processos de análise e tomada de decisão: cada vez mais autónomos e delegáveis, com ferramentas poderosas que sintetizem as variáveis-chave e métricas do negócio, permitindo definir e analisar cenários.
  4. d) Processos de controlo: cada vez mais automatizados e em tempo real, com sistemas de indicadores e alertas de performance e risco, que permitirão intervir com base na exceção, quando algo não está “conforme” com o previsto.

Cabe aos Líderes prepararem o seu capital humano com um ingrediente-chave: o “intrapreendedorismo”, que traz consigo a proatividade, a confiança e o foco, para tirar partido destes ambientes de máxima liberdade e máxima responsabilidade.

Carlos Sezões – Partner da Stanton Chase Portugal

 www.stantonchase.pt

O conteúdo Inovar na Organização: capital humano e modelos de gestão aparece primeiro em i9 magazine.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close