iliving&trends

Inovação social é muito mais que um simples “doar aos pobres”

Ao ouvir "inovação social", o que primeiro vem à cabeça? A maioria das pessoas responderia algo como uma versão acadêmica da caridade ou algo relacionado ao assistencialismo.
Versão para impressão
Em se tratando da área alimentar, seria o equivalente a dar comida aos pobres. Inovação social, porém, é muito mais que isso. A mais completa definição vem da Stanford Social Innovation Review, uma das mais respeitadas publicações sobre o tema: inovação social é “uma nova solução mais eficaz, eficiente, sustentável ou justa que as soluções existentes para um problema social”. E mais, o valor gerado por esta inovação tem de beneficiar a sociedade como um todo e não apenas alguns indivíduos. Ou seja, até mesmo grandes corporações podem produzir inovação social, para isso é preciso agir para ser não necessariamente o melhor do mundo, mas sim o melhor para o mundo.

As empresas guiadas por um propósito de bem comum para a sociedade e não apenas para seus acionistas são conhecidas como empresas B. Ser uma empresa B certificada pela ONG com fins não-lucrativos B Corp implica cumprir exigências de performance ambiental e social e também de transparência e prestação de contas. Já há 1600 companhias de 42 países a ostentar o selo e a trabalhar por um objetivo maior: redefinir o sucesso nos negócios. Vale lembrar que não é preciso que a vossa empresa seja certificada para ser uma empresa justa e investir em inovações pelo bem maior.

agencia-efeagro-brasilO mais notório empreendimento social do mundo é o Banco Grameen. Criado em 1976 por Mohammed Yunus, no Bangladesh, o banco de microcrédito empresta pequenas quantias a empreendedores pobres da região cobrando juros baixos e sem garantias. Pode parecer insustentável, mas esta iniciativa já movimentou quase 6 bilhões de dólares, possui 12 mil funcionários e tirou 12 milhões de cidadãos da linha de pobreza permitindo o autoemprego e acabando com a atuação de agiotas. Seu índice de inadimplência é de apenas 1%. Em 2006 Yunus foi laureado com o Prêmio Nobel da Paz.

Portugal também conta com projetos de inovação social importantes em diversos segmentos. Na área alimentar um dos maiores expoentes é a Fruta Feia, cooperativa de consumo, como o próprio nome diz, de frutas, legumes e hortaliças feias. Os produtos que não atendem a exigência dos supermercados, passaram a ser vendidos por preços mais baixos. A cooperativa tem mais de 100 agricultores e 2200 consumidores associados em dois pontos de Lisboa e acaba de chegar ao Porto.

Segundo a FAO, metade da comida produzida no mundo vai para o lixo. Cerca de 30% da fruta produzida em Portugal é desperdiçada ainda que esteja apropriada para o consumo. O impacto de uma iniciativa como esta é imenso para todos os atores desta cadeia: aumenta o rendimento dos produtores, que antes não conseguiam vender os produtos fora do padrão; o consumidor, que passou a ter uma alternativa de alimentação saudável de qualidade a preços mais baixos; e o planeta, ao evitar o desperdício de alimentos. É bom para a economia do país e prova que é possível gerar valor, ser justo e sustentável. E você, o que está esperando para tornar a sua empresa melhor hoje mesmo?

rodape_natasha2

  *Artigo escrito em Português do Brasil

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close