Saúde

Inovação da UCoimbra facilita diagnóstico da catarata

A Universidade de Coimbra (UC) criou um protótipo de um dispositivo médico capaz de diagnosticar cataratas, a principal causa de cegueira no mundo, através de ultrassons. A catarata é uma doença ocular que só pode ser revertida com cirurgia.
Versão para impressão
A Universidade de Coimbra (UC) criou um protótipo de um dispositivo médico capaz de diagnosticar cataratas, a principal causa de cegueira no mundo, através de ultrassons. A catarata é uma doença ocular que só pode ser revertida com cirurgia.

O que começou como um projeto de investigação financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), culminou num protótipo que já conta com uma patente provisória registada.

“Em tempo real é possível identificar o tipo de catarata, caracterizar o seu grau de severidade e estimar a sua dureza e dimensão”, explica a equipa, que inclui membros do Departamento de Engenharia Eletrotécnica e de Computadores e do Instituto de Telecomunicações da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC.

“[O aparelho é capaz] de avaliar a progressão da doença, cuja informação é essencial para a decisão clínica” de operar ou não, explica Jaime dos santos, um dos investigadores. A ideia é criar uma ferramenta de diagnóstico simples, robusta e de baixo custo.

Miguel Caixinha, investigador da equipa, complementa: “os clínicos passarão a ter acesso a dados objetivos que contribuirão para um diagnóstico e uma decisão da necessidade de cirurgia”. A tecnologia baseia-se em ultrassons de alta frequência (ondas oftalmológicas).

Os investigadores obtiveram uma taxa de sucesso de 99.7% na caraterização e estimação automática da dureza de diferentes tipos de catarata. “Se no olho de um ratinho conseguimos contornar os vários obstáculos que surgiram relacionados com a dimensão extremamente pequena do olho, ao passar para os ensaios clínicos o processo será muito mais simples porque a dimensão do olho humano é muito maior”.

O projeto encontra-se atualmente na fase de ensaios clínicos, mas a equipa já está à procura de parcerias para comercializar o aparelho.

Doença afeta 50% da população acima dos 60 anos

A catarata é uma consequência do envelhecimento (situação mais comum), mas também pode ser congénita. Existem fatores de risco que podem acelerar o seu aparecimento – estes fatores incluem a utilização de certos medicamentos, a nicotina e algumas doenças metabólicas (hipertiroidismo e diabetes), radiações UV e de raios X, algumas infeções durante a gravidez, a alta miopia e alguns traumatismos oculares.

Segundo o Centro Cirúrgico de Coimbra, as estimativas sugerem que mais de 50% da população mundial com mais de 60 anos é afetada pelas cataratas.

A doença tem este nome porque a visão fica turva, como se os pacientes vissem uma imagem através de uma queda de água. O responsável é o cristalino, uma lente natural que existe dentro do olho – o cristalino fica opaco e perde a transparência necessária para deixar passar a luz.

A cirurgia é o único tratamento possível, mas tem de ser precisa – a intervenção é feita com uma incisão (de milímetros) na lateral da córnea, por onde entra a nova lente intraocular.

"[É necessário] substituir o cristalino por uma nova lente intraocular sem danificar a sua cápsula posterior e a córnea, nem causar lesões na retina. Fazendo uma analogia, é como ter de implodir um prédio sem danificar o museu de arte que está à sua volta", segundo Miguel Caixinha.

Geralmente associada ao envelhecimento, esta doença caracteriza-se pelo desenvolvimento de opacidade no cristalino (lente) do olho, o que pode levar à perda de visão. A Organização Mundial de Saúde estima que, em 2020, 40 milhões de pessoas serão afetadas por esta condição.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close