i9magazine

Inovação Alimentar – Uma ferramenta essencial para o futuro da Nutrição

Versão para impressão

As modificações que ocorreram nos comportamentos económicos e financeiros nos últimos anos também obrigaram o sector a modernizar-se e a inovar.

Num mundo em constante evolução, em que a cada segundo se conhecem novas máquinas e soluções para muitos dos obstáculos, a alimentação e a nutrição não ficam atrás.

Recentemente tivemos a apresentação, em Portugal, de dois documentos: um nacional, o Inquérito Alimentar e de Atividade Física, e outro internacional, Obesidade adolescente e comportamentos relacionados: tendências e desigualdades na Região Europeia da Organização Mundial de Saúde (OMS), 2002-2014, que permitiram conhecer de forma mais concreta os hábitos alimentares das populações europeias.

O excesso de peso e a obesidade estão a atingir níveis preocupantes nas crianças, em Portugal, estando no top 5 da obesidade infantil, com cerca de 30% das crianças a terem excesso de peso ou obesidade.

A OMS revela que, de forma generalizada, os indicadores mostram que os comportamentos alimentares dos adolescentes, se mantêm muito longe do ótimo, com um consumo exagerado de produtos açucarados e ingestão deficiente de fruta e hortícolas. Em 2014, só 38% dos adolescentes entre os 11 e os 15 anos, de 40 países e regiões da Europa, relataram consumir fruta diariamente. Tanto os rapazes como as raparigas portuguesas tendem a alimentar-se pior com a idade (dos 11 para os 15 anos). A realidade global neste sector impulsionou a indústria de alimentação e bebidas a desenvolver esforços para colaborar com as entidades governamentais para melhorar os hábitos alimentares dos europeus. Exemplo disso é a FoodDrinkEurope, organização europeia cuja missão é criar condições para que todas as empresas europeias do sector possam atender às necessidades dos consumidores e da sociedade. Esta organização, no âmbito de um painel sobre “Vida sustentável: previsões para 2050”, lançou um apelo à ação para melhorar a alimentação e promover uma boa nutrição e saúde.

Os desafios da indústria no plano da nutrição são também na prevenção e tratamento de doenças e as intolerâncias alimentares estão também no topo das motivações para a inovação.

A elevada prevalência estimada de intolerantes à lactose em Portugal pressiona a indústria alimentar a encontrar soluções alternativas. Segundo a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos, a maioria dos intolerantes suporta bem até 12 gramas de lactose (2 iogurtes) a cada ingestão. Mas também há situações de tolerância zero, por ausência da enzima que a decompõe. O leite sem lactose foi uma inovação alimentar de elevada utilidade nutricional para os portugueses, pois mantêm a ingestão de lacticínios sem efeitos nefastos.

Na minha família direta, todos temos uma intolerância marcada à lactose. Em criança, não tinha acesso ao leite sem lactose, logo fruto dos efeitos secundários que a ingestão de leite me provocava comecei a rejeitar o seu consumo e deixei mesmo de consumir este alimento. Contrariamente, o meu filho, de 12 anos, depois de diagnosticada a mesma intolerância, passou a ingerir leite sem lactose, fazendo parte da sua alimentação diária este alimento completo e importantíssimo para cumprir com as recomendações para ele. Grata pela inovação!

Mas a inovação alimentar não se restringe ao já focado. Muitas vezes inova-se “apenas” para apresentar alternativas alimentares saudáveis aos consumidores. Somos surpreendidos a cada dia que passa: onde é que, há pouco tempo, imaginávamos poder incluir no nosso dia alimentar fruta (desidratada) nutricionalmente equivalente a fruta fresca, mas com uma textura estaladiça, que delicia os consumidores? Já há empresas em Portugal a produzir estes produtos.

Onde é que “ontem” pusemos a hipótese de ingerir bacalhau sem espinhas e com baixo teor em sal? Os idosos e as crianças e respetivos pais vão agradecer esta opção segura para ingerir este alimento, mantendo a tradição culinária portuguesa. Na zona Centro de trabalha-se arduamente para colocar essa alternativa no mercado.

E beber uma infusão, em que para além dos ingredientes ativos das plantas teremos vitaminas ou outras substâncias que nos garantem o cumprimento das alegações de saúde? Pois bem, também na região Centro há quem as produza.

Como nutricionista olho para a Inovação alimentar como um pilar para o futuro. Estou certa que com a colaboração da nossa classe profissional, as empresas e indústrias encontrarão soluções que possibilitarão melhorar os hábitos alimentares dos portugueses. Vamos a isso!

O conteúdo Inovação Alimentar – Uma ferramenta essencial para o futuro da Nutrição aparece primeiro em i9 magazine.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close