Ciência

Hubble mostra imagem única do universo longínquo

A NASA divulgou, a semana passada, o retrato mais detalhado de sempre do universo longínquo. A imagem combina uma série de fotos tiradas pelo telescópio Hubble nos últimos dez anos.
Versão para impressão
A NASA divulgou, a semana passada, o retrato mais detalhado de sempre do universo longínquo. A imagem combina uma série de fotos tiradas pelo telescópio Hubble nos últimos dez anos e surge como um melhoramento de uma outra que tinha sido formada a partir de dados de 2003 e 2004. Para trazer aos nossos olhos a nova imagem, que contém cerca de 5,5 mil galáxias, o aparelho “observou” durante mais de 50 dias um pequeno pedaço do céu até capturar toda a luz possível.
 
A imagem, batizada eXtreme Deep Field, ou XDF, mostra galáxias em espiral, com forma idêntica à Via Láctea e à Andrómeda, bem como grandes galáxias vermelhas onde já não existe formação de novas estrelas, que resultam de restos de colisões entre galáxias e se encontram em declínio. Por toda a imagem há também “salpicos” de galáxias pequenas e distantes, que terão funcionado como “sementes” das formações atuais.
 
De acordo com a agência espacial norte-americana, mais de 2.000 imagens de um mesmo campo de visão foram tiradas com as duas câmaras do telescópio, explorando-se ao máximo a luz infra-vermelha, já que somente as ondas luminosas mais longas permitem detetar objetos tão distantes. 
 
“A XDF é a imagem mais profunda do céu alguma vez obtida e revela as galáxias mais fracas e mais distantes vistas até hoje”, salientou Garth Illingworth, da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, principal investigador do programa Hubble Ultra Deep Field 2009. 
 
Antes de o telescópio Hubble entrar em atividade, em 1990, os cientistas praticamente não conseguiam ver objetos que estivessem a mais de 7 mil milhões de anos-luz, isto é, podiam observar apenas cerca de “metade” da história do Universo, que se acredita ter cerca de 13,7 mil milhões de anos.

A nova imagem mostra galáxias formadas há 13,2 mil milhões de anos, tendo a mais antiga apenas 450 milhões de anos. Segundo a NASA, o telescópio James Webb, que deverá ser o sucessor do Hubble, terá uma capacidade ainda maior. 


Clique AQUI para ver este “retrato” em alta resolução e AQUI para aceder ao comunicado da NASA (em inglês).

[Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes e Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close