Saúde

Hospital português salva bebé com procedimento raro

O Hospital de Santa Marta, em Lisboa, implantou, na terça-feira, um coração artificial a uma bebé de três meses e meio, um procedimento raro a nível internacional e que se realizou pela primeira vez em Portugal numa criança tão pequena.
Versão para impressão
O Hospital de Santa Marta, em Lisboa, implantou, na terça-feira, um coração artificial a uma bebé de três meses e meio, um procedimento raro a nível internacional e que se realizou pela primeira vez em Portugal numa criança tão pequena. 
 
Em declarações à agência Lusa, o médico José Fragata, responsável da cirurgia cardiotorácica do Centro Hospitalar de Lisboa Central – Hospital de Santa Marta, revelou que a cirurgia durou cinco horas e explicou que o tamanho da bebé impôs “uma dificuldade técnica muito própria”, tornando esta intervenção “um marco muito importante”. 
 
“Quando substituímos o coração de uma criança por uma coração artificial externo, que está a funcionar à espera que apareça um coração de dador próprio para um transplante, não é todos os dias, em qualquer parte do mundo, que se faz isso a uma criança tão pequena”, notou José Fragata.
 
A menina de três meses e meio pesa quatro quilos e sofre de uma miocardite, condição que torna impossível que o seu coração recupere e exige a realização de um transplante. O coração artificial que recebeu tem dois ventrículos e vai permitir-lhe aguardar até que seja encontrado um órgão compatível, garantindo-lhe uma melhor qualidade de vida. 
 
Segundo José Fragata, a bebé “vai ter que se manter com este coração artificial até encontrar um coração que seja compatível” em termos imunológicos e de tamanho. O especialista sublinhou que “não é muito fácil arranjar dadores em criança” porque “as crianças morrem pouco” e o tamanho “é um fator limitante grande”.

Bebé “está bem” e internada nos cuidados intensivos
 

“A última criança que tivemos aqui nestas condições, e era uma criança mais velha, esteve aqui quatro meses e meio. [A bebé] vai permanecer em cuidados intensivos até quando o destino o quiser”, esclareceu, alertando que este tipo de intervenção tem “riscos” e é “bastante pesada” já que os bebés desta idade têm corações enormes, “maiores do que a caixa”.
 
Ainda assim, o médico reforçou que a taxa de sucesso ronda os 50% a 60% e a esperança de vida é “boa”, maior do que a dos adultos, já que existe “uma certa janela imunológica”. De acordo com o responsável, a bebé, que está internada na unidade de cuidados intensivos, “está bem” e acordou normalmente no dia a seguir à cirurgia, estando ligada a um ventilador.
 
José Fragata aproveitou para realçar que “as autoridades deviam estar muito satisfeitas” [com o sucesso do procedimento], visto que este exemplo prova que “no ambiente de enormes dificuldades por que está a passar o serviço nacional de saúde, ainda é possível ocorrer, de forma muito diferenciada, a casos isolados”. 
 
Sublinhe-se que em Portugal já se tinham realizado intervenções semelhantes em crianças, mas nunca a um bebé de tão tenra idade.

Notícia sugerida por Elsa Fonseca

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close