Mundo

Hospital garante quimioterapia “divertida” às crianças

Um hospital brasileiro criou uma sala de quimioterapia "divertida" para as crianças e adolescentes em tratamento contra o cancro. A "Quimioteca" disponibiliza aos mais novos brinquedos e jogos educativos, bem como "mini-televisões" individuais.
Versão para impressão
Um hospital brasileiro criou uma sala de quimioterapia “divertida” para as crianças e adolescentes em tratamento contra o cancro. A “Quimioteca” do Hospital Estadual de Bauru, em São Paulo, disponibiliza aos mais novos brinquedos e jogos educativos, bem como “mini-televisões” individuais para tentar reduzir ao máximo o desconforto.
 
O espaço lúdico nasceu, há cerca de um ano, pela mão da Associação Bauruense de Combate ao Cancro (ABCC), que contou com o apoio da Fundação Ronald McDonald e da comunidade local, junto da qual foram angariados fundos para a criação desta sala especial para os jovens doentes oncológicos.
 
Em entrevista ao Jornal da Cidade de Bauru, Cristina Aidar, presidente da ABCC, explica que a “Quimioteca” tem como objetivo privilegiar o ato de brincar, que, muitas vezes, é esquecido depois do diagnóstico e durante o tratamento.
 
Segundo a responsável, a sala dispõe de mobílias coloridas e de uma decoração “que remete para a tranquilidade, com motivos do fundo do mar” e personagens bem conhecidas do imaginário dos mais novos, como é o caso do mais famoso dos peixes-palhaço: Nemo.
 
Além disso, o espaço disponibiliza às crianças “brinquedos e jogos educativos” e “mini-televisões” individuais instaladas em cada cadeira para que todos possam sentir-mais confortáveis e beneficiar de uma distração adicional.
 
“Com a possibilidade de brincar e de ver desenhos animados, o tempo passa mais rápido, além de amenizar os impactos negativos do tratamento e favorecer a recuperação”, destaca Ana Xavier Neves, médica do Hospital Estadual de Bauru, que, todos os meses, recebe cerca de 50 crianças para tratamento oncológico.

De acordo com a pediatra, “é essencial que, na sessão de terapia, a criança tenha espaço para brincar, para se distrair e também ter uma intervenção multidisciplinar que beneficie o seu tratamento, como a abordagem de uma psicóloga”. 
 
Este espaço ajuda, portanto, a humanizar o tratamento, introduzindo na rotina “leitura, estudo, jogos e brincadeiras” e uma oportunidade de entretenimento que contribui, acredita Ana Xavier Neves, para que as crianças apresentem resultados “mais rapidamente”.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close